Meteorologia

  • 21 MAIO 2018
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 15º

Edição

Governo assume como "prioridade absoluta" limpeza do mato até maio

O ministro da Administração Interna assumiu hoje como "prioridade absoluta" a limpeza do mato até maio, uma responsabilidade que deve ser "de todos" os cidadãos, destacando o reforço no domínio da prevenção de incêndios florestais.

Governo assume como "prioridade absoluta" limpeza do mato até maio
Notícias ao Minuto

16:28 - 18/01/18 por Lusa

País Incêndios

"Não deixaremos de fazer tudo para que, no domínio da prevenção, no domínio da preparação para um melhor combate, se faça este ano - como tem dito o senhor primeiro-ministro -- tudo aquilo para que nada seja como antes nesta matéria", declarou Eduardo Cabrita.

Na conferência de imprensa no final do Conselho de Ministro, o governante disse que estão identificadas 19 áreas de maior risco de incêndios florestais, numa lista "que será subsequentemente divulgada a todos", assim como os municípios, as freguesias e as aldeias em que se verifica um maior risco.

"Para todos os cidadãos, a maior prioridade agora é a sensibilização para a prevenção", defendeu o tutelar da pasta da Administração Interna, indicando que deve existir um "esforço nacional" neste domínio para que, "com meios reforçados, previstos no Orçamento do Estado, se programe o combate e se prepare a transição para um modelo diferente, um modelo que permitirá sobretudo uma intervenção acrescida na área florestal".

Os incêndios que deflagraram na zona de Pedrógão Grande, distrito de Leiria, e Góis, distrito de Coimbra, a 17 de junho, provocaram 66 mortos: a contabilização oficial assinalou 64 vítimas mortais, mas houve ainda registo de uma mulher que morreu atropelada ao fugir das chamas e uma outra que estava internada desde então, em Coimbra, acabou também por morrer.

Do incêndio resultaram ainda mais de 250 feridos.

Já as centenas de incêndios que deflagraram no dia 15 de outubro, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram 45 mortos e dezenas de feridos. Esta foi a segunda situação mais grave de incêndios com mortos em Portugal, depois de Pedrógão Grande.

Tendo em conta outros incêndios no ano passado, registaram-se pelo menos 116 vítimas mortais em fogos de origem florestal.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.