Meteorologia

  • 18 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Manifestantes pedem ação contra perseguição a 'gays' na Chechénia

Centenas de pessoas concentraram-se hoje junto à embaixada da Rússia, em Lisboa, para contestar a "perseguição a homossexuais" na Chechénia e exigir às autoridades portuguesas uma "pressão internacional e diplomática" para exigir o respeito pelos direitos humanos.

Manifestantes pedem ação contra perseguição a 'gays' na Chechénia
Notícias ao Minuto

20:49 - 18/04/17 por Lusa

País Lisboa

Segundo os organizadores do protesto, convocado pelo movimento "Um 'Activismo' Por Dia", participaram cerca de 400 pessoas, entre as quais as deputadas do PS Isabel Moreira e do Bloco de Esquerda Isabel Pires e Sandra Cunha, além do candidato bloquista à Câmara de Lisboa, Ricardo Robles.

Os manifestantes empunhavam bandeiras com as cores do arco-íris, símbolo da comunidade LGBT (Lésbicas, 'Gays', Bissexuais e Transgénero), e cartazes onde se lia "Stop Homofobia", "Não à Violência" ou "Homofobia é Arma Letal", enquanto entoavam cânticos como "A nossa luta é todo o dia contra o machismo e a homofobia" ou "Tortura não, nem campos de concentração".

Alguns também exibiam cartazes com a imagem do Presidente russo, Vladimir Putin, maquilhado, cuja divulgação foi recentemente proibida pelo regime russo.

O reputado jornal russo Novaya Gazeta noticiou este mês que a polícia chechena prendeu mais de cem homens suspeitos de serem homossexuais e que pelo menos três destes foram mortos. As autoridades da Chechénia, uma república russa de maioria muçulmana, negaram, mas o alto-comissário para os Direitos Humanos das Nações Unidas incitou o Governo russo a investigar o caso.

Durante o protesto, João Miguel, um dos representantes da organização, leu uma carta aberta que pede "ação da Assembleia da República e do Presidente da República", Marcelo Rebelo de Sousa.

"Exortamos que, sendo Portugal signatário da Declaração Universal dos Direitos Humanos e perfilando umas das legislações mais respeitosas para com todas/os as/os indivíduos, faça pressão internacional e diplomática para que a dignidade humana seja respeitada", pedem os signatários do documento.

Em declarações à Lusa, João Miguel condenou o que disse ser um "ataque brutal aos direitos humanos" e que comparou à perseguição dos judeus durante o nazismo.

Várias organizações associaram-se ao protesto, entre as quais a UMAR, a Rede EX-Aequo, Por Todas Nós, ou a associação de estudantes da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da Universidade Nova de Lisboa.

André Faria, da Rede Ex Aequo -- associação de jovens lgbti (lésbicas, 'gays', bissexuais, trans, intersexo) e apoiantes -, propôs que o Governo ofereça às vítimas de perseguição o estatuto de "asilo político com base na perseguição pela orientação sexual".

"Portugal, pelos avanços legislativos que tem feito, deve transmitir essa imagem, até para incentivar outros países a fazerem o mesmo. Estas pessoas estão a fugir para os países vizinhos", referiu.

O candidato do Bloco de Esquerda à Câmara de Lisboa, Ricardo Robles, considerou que os relatos de detenções e morte de homossexuais na Chechénia "é o pior do que assistimos no século XX".

"Os campos de concertação nazi foram os últimos campos onde a comunidade 'gay' foi detida e exterminada e não podemos deixar que este horror se repita", sustentou.

Isabel Moreira defendeu que está em causa um "retrocesso" em matéria de direitos humanos e denunciou o que disse ser uma apatia generalizada por se tratar de homossexuais.

A deputada socialista reclamou uma posição do secretário-geral das Nações Unidas, argumentando que se estivesse em causa uma perseguição a uma minoria étnica, o português António Guterres já se teria pronunciado.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório