Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2017
Tempo
28º
MIN 25º MÁX 29º

Edição

UGT defende crescimento e emprego e justa distribuição da riqueza

A UGT pretende centrar a sua ação, nos próximos 4 anos, na defesa do crescimento e do emprego e de uma política de rendimentos que garanta aos portugueses uma mais justa distribuição da riqueza.

UGT defende crescimento e emprego e justa distribuição da riqueza
Notícias ao Minuto

10:02 - 19/03/17 por Lusa

País Entrevista

Na resolução programática que será debatida e aprovada no XIII congresso da UGT, que se realiza nos próximos dias 25 e 26 no Porto, a central sindical assume que irá "defender o crescimento, a dinamização da atividade económica e o emprego como via essencial para gerar receitas públicas".

O objetivo é promover políticas de crescimento, através do aumento do investimento público e privado, pelas exportações, mas também por via da procura interna, "o que implica um compromisso sobre a política de rendimentos e o reforço da produtividade/competitividade".

Para tal, é preciso reforçar investimento público em áreas estruturantes da economia e da sociedade, como as energias renováveis, transportes, infraestruturas, qualificação, inovação e ambiente.

Para assegurar o crescimento económico e o emprego, a UGT considera necessário aprofundar o diálogo social a nível nacional e a negociação europeia de condições que permitam reduzir o défice, nomadamente a renegociação das condições de pagamento da dívida.

No documento a aprovar na reunião magna, a central exige a urgente estabilização do sistema bancário, enquanto setor estratégico e estruturante para a economia.

Dar prioridade à salvaguarda dos postos de trabalho nos processos de reestruturação de setores e empresas, apostar em setores com potencial de criação de emprego e nas qualificações das pessoas são outras das metas da UGT.

Na resolução programática é defendida a necessidade de "uma verdadeira política de rendimentos", que garanta "uma justa distribuição da riqueza".

"O crescimento do rendimento das famílias é não só um fator determinante para o bem-estar das pessoas e melhoria da coesão económica e social, como assume, no quadro atual, um papel decisivo para um relançamento mais forte do crescimento económico, por via da dinamização do consumo privado, elemento que continua a ser apontado pelas empresas como um dos constrangimentos ao investimento privado e a um maior nível de atividade económica", lê-se no documento.

Assim, a UGT continuará a bater-se por "aumentos salariais que garantam a melhoria do poder de compra dos trabalhadores, pela melhoria das pensões e prestações sociais e por uma política fiscal mais justa e equitativa, fatores indissociáveis da reposição de justiça e equidade sociais e da promoção da coesão social".

"Esta é uma luta da UGT, mas é igualmente de todo o movimento sindical europeu, liderado pela CES - Confederação Europeia de Sindicatos, que elegeu 2017 como o Ano de Luta por Aumentos Salariais para todos os trabalhadores europeus", refere a resolução.

A UGT promete ainda que defenderá sempre a relevância de consensos sociais tripartidos sobre política de rendimentos de médio prazo, incluindo a política fiscal.

Para a central é ainda prioritário combater o desemprego e a precariedade, "que se mantém em níveis excessivamente elevados no contexto europeu.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Ser o primeiro a saber será ainda mais rápido

Descarregue a aplicação e aceda a toda a informação do Notícias ao Minuto por smartphone ou tablet de uma forma mais cómoda, intuitiva e imediata.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório