Meteorologia

  • 28 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 27º

Enfermeiros exigem ser uma prioridade do Governo

Cinco organizações sindicais de enfermagem afirmaram hoje que os enfermeiros devem ser uma prioridade governamental, exigindo negociações pela valorização da carreira daqueles profissionais de saúde, que se sentem esquecidos pelos "sucessivos governos".

Enfermeiros exigem ser uma prioridade do Governo
Notícias ao Minuto

18:14 - 12/04/24 por Lusa

País Enfermeiros

As estruturas sindicais convocaram, na quarta-feira, uma greve de cinco dias para o final de abril e início de maio no continente e ilhas, pela revisão salarial e da carreira e contratação de mais profissionais.

"Esta é a nossa forma de anunciar o nosso descontentamento, uma vez que ainda ontem [quinta-feira] o primeiro-ministro, na sua intervenção na Assembleia da República, disse que a prioridade era para outras profissões", adiantou hoje em conferência de imprensa o presidente do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor), Carlos Ramalho.

Na conferência de imprensa, em Lisboa, participaram ainda os presidentes do Sindicato de Enfermeiros (SE), Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem (SIPE), Sindicato Independente de Todos os Enfermeiros Unidos (SITEU) e Sindicato Nacional dos Enfermeiros (SNE).

Apesar de reconhecer movimentações nas negociações, como hoje com a Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), Carlos Ramalho referiu que o pré-aviso de greve se manterá caso não haja sinais positivos.

Já o líder do SE, Pedro Costa, lembrou que há enfermeiros com 20/30 anos de profissão "completamente estagnados na carreira".

"Ganham quase tanto como os colegas que iniciam funções. Um enfermeiro leva para casa um ordenado limpo de pouco mais de 900 euros. E não basta apenas dizermos que temos de dar e reconhecer o risco de penosidade a outras profissões, é importante que se diga que é preciso reconhecer os enfermeiros como uma profissão de risco", salientou.

Também criticou o Governo por ainda não ter feito referência ao plano de emergência para saúde prometido pelo primeiro-ministro, Luís Montenegro, durante a campanha eleitoral das legislativas de 10 de março, e que seria apresentado nos primeiros 60 dias da governação.

"Sessenta dias já não são 60 dias (...) e nós não vemos a palavra enfermeiros em lado nenhum", observou.

Por sua vez, presidente do SIPE, Fernando Mendes Parreira, disse que a ministra da Saúde, Ana Paula Martins, "tem de ter uma palavra", referindo que se está a "criar um conflito" entre enfermeiros dos setores público e privado por causa da contagem do tempo de serviço.

"Determinadas instituições não estão a considerar o tempo de serviço. Esta situação traz muito descontentamento entre os enfermeiros. Isto tem de ser corrigido", lembrou.

Por seu turno, o presidente do SNE, Emanuel Boieiro, adiantou que as organizações sindicais têm uma "promessa de reunião" com o Ministério da Saúde, indicando que a APHP já se aproximou das reivindicações dos enfermeiros.

"Estes cinco sindicatos querem, numa base de diálogo (...) entre as partes, chegar a melhores condições para os enfermeiros", sublinhou.

Já a presidente do SITEU, Gorete Pimentel, realçou que os sindicatos querem alertar para a carreira dos enfermeiros.

"A última vez que a nossa tabela salarial foi alterada precariamente foi em 2008, quando houve a revisão da carreira. Desde 2008, a tabela salarial dos enfermeiros nunca mais foi modificada, nunca mais foi alterada. Nós temos mais de 15 anos de precariedade e de falta de valorização salarial", precisou.

A greve vai decorrer nos dias 26, 29 e 30 de abril e a 02 e 03 de maio e abrange as instituições dos serviços públicos e as dos setores social e privado do continente e das regiões autónomas dos Açores e Madeira, de forma regional consoante os dias.

Leia Também: Enfermeiros acusam ARS Norte de "mudar a meio do jogo" regras de concurso

Recomendados para si

;
Campo obrigatório