Meteorologia

  • 23 ABRIL 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 24º

Gestação de substituição. APFertilidade diz que pareceres foram ignorados

A Associação Portuguesa de Fertilidade lamentou hoje que o Ministério da Saúde tenha ignorado os pareceres críticos à regulamentação da gestação de substituição e receia um "adensar do já enorme desespero" dos casais.

Gestação de substituição. APFertilidade diz que pareceres foram ignorados
Notícias ao Minuto

11:31 - 15/01/24 por Lusa

País Fertilidade

A posição da Associação Portuguesa de Fertilidade (APFertilidade) surge após o Presidente da República ter devolvido a proposta de regulamentação da gestação de substituição ao Governo, defendendo a audição do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida e do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida, para evitar "frustrações futuras".

A associação refere, em comunicado, que, com o veto da proposta de regulamentação, os casais beneficiários continuam sem uma resposta, após seis anos de espera pela legislação.

A APFertilidade lamenta que o Ministério da Saúde não tenha acautelado "as fragilidades que o diploma apresentava", após os pareceres negativos do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV) e do Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida (CNPMA).

"Lamentamos profundamente que, após seis anos sobre o chumbo do Tribunal Constitucional, e dois anos sobre o arrastar do processo de regulamentação, se entre em 2024 com uma lei longe de ter o suporte legal necessário para voltar a ser colocada em prática", afirma Joana Freire, diretora executiva da associação e membro de um dos casais que pretende beneficiar da gestação de substituição para ter filhos.

Joana Freire receia o "adensar do já enorme desespero que este bloqueio vai causar entre os casais que dependem da maternidade de substituição para constituir a sua família" e prevê "mais um longo caminho até que um novo diploma seja concluído e submetido a apreciação do Presidente da República".

"Se estes cidadãos ainda se agarravam à esperança de conseguir iniciar o seu processo em Portugal em breve, cai por terra essa possibilidade a curto prazo. Acreditamos que alguns destes casais desistam da gestação de substituição no seu país e outros procurem respostas no estrangeiro, segundo condições alheias à legislação nacional e à própria APFertilidade", alerta Joana Freire.

A associação recorda que, às três propostas de regulamentação da gestação de substituição apresentadas pelo Ministério da Saúde, o CNPMA e o CNECV apontaram sempre pontos críticos que consideraram não ser ultrapassados a cada novo documento submetido ao seu parecer.

O CNPMA, órgão que irá receber as candidaturas dos casais e anunciar a decisão final, considerou que a proposta "não acautela eficientemente o interesse das partes e o superior interesse da criança e não previne potenciais conflitos, nem regula os mesmos caso venham a ocorrer", alertando ainda que não dispõe de uma estrutura que consiga "dar resposta ao que é exigido pelo projeto de decreto-lei".  

Por sua vez, o CNECV defendeu a "necessidade de estabelecimento de um prazo razoável para o exercício do direito de arrependimento, por parte da gestante, quanto à entrega da criança aos beneficiários e progenitores biológicos".

Considerou ser "eticamente censurável a demissão das obrigações do Estado de regular matérias que se relacionam com o Direito da Família", ao prever direitos de visita à gestante da criança nascida e "direitos de personalidade, como a amamentação e o aleitar". 

Perante estas críticas, a APFertilidade considera que era expectável o desconforto do Presidente da República em promulgar a proposta de regulamentação, dado que o documento final não foi submetido a nova apreciação por parte do CNPMA e do CNECV.

Leia Também: Marcelo devolve regulamentação da Procriação Medicamente Assistida

Recomendados para si

;
Campo obrigatório