Meteorologia

  • 25 ABRIL 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 19º

De férias? Eis as recomendações do SNS para prevenir afogamentos

Segundo o SNS, "a maior parte dos acidentes acontece devido à má avaliação dos riscos".

De férias? Eis as recomendações do SNS para prevenir afogamentos
Notícias ao Minuto

23:45 - 14/08/23 por Notícias ao Minuto

País Afogamento

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) recordou, esta segunda-feira, uma série de recomendações para prevenir afogamentos. Recorde-se que, só nos primeiros seis meses do ano, morreram 60 pessoas afogadas, segundo a Federação Portuguesa de Nadadores Salvadores (FEPONS).

Segundo o SNS, "a maior parte dos acidentes acontece devido à má avaliação dos riscos", entre os quais o "estado do mar (em termos de corrente, vento e rebentação), a profundidade dos locais de mergulho, a sobrevalorização das capacidades do nadador, a realização de desportos sem a devida proteção, o consumo excessivo de álcool ou drogas ilícitas e a existência de doenças debilitantes".

Fique a par das recomendações:

  • Frequentar praias vigiadas e respeitar os sinais das bandeiras e as instruções dos nadadores-salvadores;
  • Cumprir as regras de segurança na praia e nas piscinas, sejam públicas ou privadas, e seguir as indicações dos nadadores-salvadores;
  • Em piscinas privadas, colocar uma vedação à volta e um trinco de fecho automático, de forma a impedir o acesso das crianças à água. Fazer o mesmo para o acesso aos poços e reservatórios de água;
  • Em espaços desconhecidos, inspecionar o local e tapar poços, tanques e depósitos de armazenamento de água com redes pesadas e nunca mergulhar, nem deixar as crianças mergulhar;
  • Vigiar as crianças:
    • Sempre que se encontrem perto da água, estar atento às brincadeiras, colocar braçadeiras ou coletes àquelas que não sabem nadar;
    • Nunca confiar a segurança duma criança pequena a outra criança mais velha;
    • Não deixar as crianças irem atrás duma bola perdida;
    • Nunca deixar uma criança que ainda não é autónoma sozinha durante o banho, em casa, na praia ou na piscina;
  • Ensinar as crianças a nadar tão cedo quanto possível (as aulas de natação ajudam as crianças a saber nadar, boiar e a identificar situações perigosas);
  • Na prática de desportos aquáticos e de atividades de recreio, usar sempre o colete de salvação e outros dispositivos de segurança;
  • Não entrar de repente na água, após longos períodos de exposição ao sol;
  • Evitar também refeições pesadas e bebidas alcoólicas e esperar três horas após a refeição, antes de entrar na água;
  • Verificar a profundidade da água, antes de mergulhar e se existem rochas ou obstáculos que possam causar traumatismo em caso de mergulho;
  • Evitar nadar sozinho, não se afastando demasiado e nunca nadar contra a corrente;
  • Dar a conhecer às pessoas próximas, sempre que for dar um passeio ou fazer uma caminhada dos possíveis perigos em rios e lagoas;
  • Se tiver uma cãibra, fora de pé, respirar fundo, colocar-se de costas e boiar até poder nadar para a margem

Segundo o relatório do Observatório dos Afogamentos, citado pela FEPONS, 51 das pessoas que morreram afogadas nos primeiros seis meses do ano eram homens e mais de metade (55,3%) tinha mais de 40 anos.

De acordo com o documento, 16 casos aconteceram em abril, 12 em junho e 10 em janeiro e não houve qualquer caso em zonas vigiadas.

A FEPONS destaca também que 36 (60%) afogamentos ocorreram à tarde, 25 no mar, 21 no rio, quatro em piscinas domésticas, três em barragens, outros três em portos de abrigo/marinas e dois em poços.

Leia Também: Oito mortos por afogamento em praias não vigiadas do país desde janeiro

Recomendados para si

;
Campo obrigatório