Meteorologia

  • 03 JULHO 2022
Tempo
29º
MIN 17º MÁX 29º

Promotor da petição recusa fim da ciclovia na Almirante Reis em Lisboa

Um dos promotores da petição pela ciclovia na Avenida Almirante Reis, em Lisboa, recusou hoje a possibilidade de acabar com esta infraestrutura de mobilidade ativa, inclusive o uso de bicicletas e trotinetes, ressalvando, no entanto, que pode ser melhorada.

Promotor da petição recusa fim da ciclovia na Almirante Reis em Lisboa

"Se admitimos que deixasse de existir uma ciclovia na Almirante Reis? Não, eu acho que não admitimos. Nós também não pedimos o fim da circulação automóvel na Almirante Reis, nem da circulação pedonal", afirmou Miguel Pinto, um dos promotores da petição "Avenida Almirante Reis pela manutenção da ciclovia e um processo participado sobre o futuro".

No âmbito de uma audição na Comissão de Mobilidade, Transportes e Segurança da Assembleia Municipal de Lisboa, Miguel Pinto começou por dizer que vive numa rua paralela à Avenida Almirante Reis e que utiliza a bicicleta de forma regular desde a construção da ciclovia, mas também é automobilista e utente dos transportes públicos: "Consigo entender os argumentos das várias partes e não há aqui uma posição extremada, que muitas vezes existe essa acusação sobre quem anda de bicicleta".

Questionado pelo deputado do PSD Américo Vitorino sobre a possibilidade de deixar de existir a ciclovia na Almirante Reis, o promotor da petição defendeu que "a ciclovia é fundamental para a segurança de quem a utiliza nestes modos ativos", ressalvando que a infraestrutura "pode ser melhorada".

"A existência da ciclovia não é negociável. Sobre a forma dessa ciclovia, podemos negociar e, obviamente, é possível fazer melhorias, mas não é fácil", expôs Miguel Pinto, referindo que a Avenida Almirante Reis tem cerca de 25 metros de largura, pelo que "a solução, seja ela qual for, nunca vai ser fácil".

Com quase três mil assinaturas, a petição tem o propósito de "discutir o futuro da Almirante Reis, para aumentar a qualidade de vida de quem vive, estuda ou trabalha nesta zona", referiu o promotor, realçando o papel da Assembleia Municipal de Lisboa nesta discussão.

Os peticionários pedem "uma solução estruturada para a Avenida Almirante Reis no médio prazo, porque não há políticas públicas que se possam implementar em dias ou em semanas, é um processo que vai ser relativamente longo", apontou Miguel Pinto, sugerindo que no curto prazo se mantenha a atual ciclovia.

"Essa ciclovia permite-nos perceber que é possível ter uma outra Almirante Reis e na verdade uma outra cidade também, onde as pessoas têm mais espaço", destacou o promotor da petição, realçando ainda a acalmia de tráfego e o combate às alterações climáticas.

Apresentando dados do centro de investigação do Instituto Superior Técnico (IST), produzidos para a Câmara de Lisboa, sobre o impacto desta ciclovia, entre maio de 2020 e maio de 2021, o peticionário indicou que o número médio de bicicletas e trotinetas a circular na Almirante Reis "triplicou, ou seja, a construção da infraestrutura gerou ou induziu a própria procura".

"Mesmo com a atual intervenção, os automóveis continuam a ter mais de 60% do espaço da Almirante Reis em exclusividade, apesar de a maior parte das pessoas que passam à superfície na Almirante Reis circular a pé", informou Miguel Pinto, acrescentando que as pessoas que circulam em cadeiras de rodas começaram a utilizar as ciclovias, pelo que a discussão também inclui a acessibilidade pedonal, assim como a sinistralidade.

Como próximos passos no processo de discussão, o promotor da petição propôs que seja solicitada à Câmara de Lisboa a disponibilização de documentos relevantes, inclusive o relatório do IST com contagens de tráfego nas ciclovias e o parecer do Regimento Sapadores Bombeiros sobre a circulação de veículos de emergência.

Entre as propostas está também a realização de uma audição pública na Assembleia Municipal de Lisboa com participação alargada, assim como a ideia de recomendar à câmara que mantenha a atual solução até existir novo projeto para a Avenida Almirante Reis e que coloque em funcionamento nesta zona as estações de bicicletas partilhadas GIRA.

Neste âmbito, os deputados municipais vão agendar "tão breve quanto possível" uma audição conjunta com os três presidentes de junta de freguesia em que se insere esta ciclovia, nomeadamente Arroios, Areeiro e Santa Maria Maior, e uma audição com o vereador do Planeamento de Mobilidade, Ângelo Pereira (PSD), seguindo-se a audição pública.

Na semana passada, o vereador Ângelo Pereira disse que o executivo pediu uma avaliação ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) sobre a rede ciclável de Lisboa, adiantando que "em breve" será anunciada a solução prevista para a ciclovia na Avenida Almirante Reis.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório