Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2022
Tempo
MIN 5º MÁX 14º

Edição

Câmaras de vigilância reforçam segurança em escola de Valença

A instalação de câmaras de vigilância na escola EB 2,3/S de Valença é uma das medidas decididas pelo Conselho Municipal de Educação, na sequência de uma rixa entre alunos que fez quatro feridos, foi hoje divulgado.

Câmaras de vigilância reforçam segurança em escola de Valença

Em comunicado hoje enviado às redações, a Câmara de Valença, segunda cidade do distrito de Viana do Castelo, adiantou que, além do circuito interno de videovigilância, o Conselho Municipal de Educação, convocado na sequência daquele caso de violência, no dia 26 de novembro, decidiu manter a segurança privada.

Aquele serviço foi acionado pela autarquia, liderada pelo socialista José Manuel Carpinteira, logo após a rixa entre dois grupos de alunos que feriu dois estudantes, de 13 e 16 anos, e duas funcionárias, de 48 e 56 anos, que tentaram separar os jovens.

O serviço contratado pelo município, apenas até ao final do atual período letivo, vai ser prolongado por decisão do Conselho Municipal de Educação.

Na reunião daquele órgão, na última quinta-feira, foi ainda decidido contratar um mediador de conflitos que trabalhe com todos os membros da comunidade escolar e solicitar a presença dos agentes da Escola Segura (GNR) com maior frequência.

Foi ainda decidido propor uma melhor articulação com o Gabinete de Apoio à Família (GAF) e sensibilizar a tutela para a transferência dos alunos para outros estabelecimentos, quando a Escola esgotar todas as punições previstas.

Presidido pelo autarca José Manuel Carpinteira, o Conselho Municipal de Educação contou ainda com a presença do vereador da Educação, assim como com a diretora do agrupamento de escolas Muralhas do Minho, e representantes do ensino público superior, do pessoal docente do ensino secundário público, do pessoal docente do ensino básico público, da associação de pais e encarregados de educação, das Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), que desenvolvem atividade na área da educação, dos serviços de emprego e formação profissional, e das forças de segurança, assim como do Conselho Municipal de Juventude.

As agressões ocorridas na última sexta-feira não são caso único na escola EB 2,3/S, com mais de 800 alunos, e recentemente alvo de obras de requalificação de 3,2 milhões de euros.

Em outubro de 2019, mais de 100 pessoas, entre professores, pais e auxiliares, participaram num cordão humano exigindo uma escola mais segura.

A ação decorreu na sede do Agrupamento de Escolas Muralhas do Minho, na sequência da alegada agressão, dos encarregados de educação de uma aluna a dois professores e dois auxiliares de ação educativa.

O cordão humano promovido pela comunidade educativa contou com o apoio do Sindicato dos Professores do Norte (SPN) e do Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE), que exigiram "medidas urgentes para travar este tipo de casos, cada vez mais frequentes nas escolas".

Em 2016, a direção do Agrupamento de Escolas Muralhas do Minho foi confrontada uma alegada ameaça com arma branca de um aluno a outro no recreio do estabelecimento de ensino.

Leia Também: Dois alunos e duas funcionárias feridos em rixa em escola de Valença

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório