Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2021
Tempo
23º
MIN 16º MÁX 26º

Edição

DGS apresenta "10 recomendações práticas" para o Natal e Ano Novo

Esta terça-feira a Direção Geral da Saúde retomou as conferências de imprensa. O 'briefing' de hoje contou com a presença do subdiretor-Geral da Saúde, Rui Portugal.

DGS apresenta "10 recomendações práticas" para o Natal e Ano Novo

Já começou a conferência de imprensa de atualização de informação relativa à infeção pelo novo coronavírus no país, momentos após ter sido divulgado que nas, últimas 24 horas, foram reportados mais 84 mortos e 2.638 casos confirmados de Covid-19 em Portugal.

O subdiretor-Geral da Saúde, Rui Portugal, foi quem fez hoje o balanço e respondeu aos jornalistas. O responsável começou por aproveitar o momento para falar da quadra festiva que se avizinha, reiterando os apelos que têm sido feitos pelas autoridades e pelo Governo para que a população planeie o Natal e o Ano Novo tendo em conta os "novos tempos e a situação pandémica que vivemos".

"Devemos planear com cuidado, junto dos nossos, para melhor sabermos as condições de cada um, das regiões em que habitamos e das especificidades daqueles que nós mais amamos", sublinhou.

Neste planeamento entre familiares, Rui Portugal aconselhou ainda a que se faça uma gestão das expectativas, sobretudo, das crianças e dos mais velhos. Para ajudar nesta tarefa, o subdiretor-Geral da Saúde apresentou um conjunto de "10 recomendações de medidas práticas" a adotar para as festas que estão à porta:

1 - "Considerar que devemos cumprir todas as regras que entrem em vigor nesta quadra festiva, relativamente ao nosso concelho, região ou país, sobre a mobilidade e restrições que possam existir sobre aglomeração ou ajuntamentos de pessoas";

2 - "Se estiver doente ou se algum dos seus familiares estiver doente - com sintomas ou que lhe tenha sido determinado o isolamento profilático - deverão cumprir as regras estipuladas. Estas pessoas tem o dever de estar afastados de todos os outros. E todos os outros têm dever de dar o apoio que estes necessitem, porque o afastamento físico não significa afastamento familiar ou social";

3 - "Reduzir os contactos antes desta quadra festiva e durante esse mesmo período. Por exemplo, em vez de ter o meu grupo normal de contactos de 10 ou 15 pessoas, passar a ter um grupo, durante esta temporada, para além dos coabitantes, de quatro ou cinco pessoas, reduzindo a probabilidade do risco de contaminação";

4 - "Reduzir todo o tempo de exposição. Em vez de estarmos quatro ou cinco horas com os nossos contactos, tentar continuar a estar juntos, mas num tempo mais limitado, por exemplo, entre uma ou três horas, bem como preferindo os espaços exteriores";

5 - "Reduzir os contactos em termos de núcleo familiar. A família nesta quadra deve ser a família de coabitantes. Devemos reduzir ao máximo contactos com familiares que não coabitam connosco";

6 - "Preferencialmente, devemos limitar todas as celebrações e contactos nesta quadra festiva ao agregado familiar com quem se habita, tendo contacto com os outros membros, tanto quanto possível, por meios digitais, telefonemas, visitas rápidas em espaços exteriores, privilegiando sempre o distanciamento físico";

7 - Ainda quanto ao distanciamento físico, deve ser cumprido em qualquer habitação, sendo recomendável entre um a dois metros entre pessoas. "As cozinhas, nesta altura, serão locais de alto risco visto que são grandes espaços de convívio entre pessoas e familiares. Devemos evitar também, como já é sabido, os cumprimentos habituais";

8 - "Lembrar que o arejamento dos espaços, a circulação do ar e a preferência por espaços maiores, são locais de maior proteção. Acumulando com todas as questões já referidas, esta é mais uma forma de nos protegermos. Estes espaços devem também ser bem desinfetados";

9 - "Não esquecer de lavar e desinfetar as mãos frequentemente, de cumprir a etiqueta respiratória e não prescindir da utilização da máscara. Os nossos familiares não representam um menor risco de infeção";

10 - "Se estivermos juntos com familiares com os quais não coabitamos atenção à partilha de objetos comuns, como por exemplo, os talheres, os copos, etc. Nestes convívios, aconselha-se a uma utilização moderada e racional de tudo o que possam ser substâncias que possam trazer maiores afetividades".

"Todas estas recomendações é para que daqui a três semanas ou um mês não tenhamos números substancialmente menos simpáticos, sendo que os presentes já não, devido aos comportamentos que podem decorrer nesta quadra festiva", concluiu o responsável.

Vacinação em Portugal ainda este ano?

Sobre o plano de vacinação no país, Rui Portugal começou por afirmar que, apesar de o papel da Direção-Geral da Saúde (DGS) ser "importante" nesta matéria, cabe à task force criada para a implementação do plano adaptar-se a uma possível antecipação da autorização de entrada no mercado da primeira vacina contra a Covid-19, tendo em conta que a Agência Europeia do Medicamento poderá aprovar a primeira vacina a 21 de dezembro.

Ainda assim, o responsável considerou que tal antecipação seria uma excelente notícia e que o país estará certamente preparado: "Se isso de facto acontecer, teremos uma antecipação de oito dias em relação àquilo que é a vacinação e todo o esforço deve ser feito para que todas as questões logísticas sejam antecipadas por oito dias. Certamente, que os meus colegas terão isso em conta".

Por fim, sublinhando que a vacina não irá substituir as medidas de combate ao novo coronavírus - como o uso de máscara e o distanciamento físico -, o subdiretor-Geral da Saúde salientou que ainda não é conhecido se as vacinas têm "efeito contra a transmissibilidade" do novo vírus, ainda que tenham "efeito contra a doença".

Reveja a conferência aqui:

Leia Também: AO MINUTO: Internados descem e recuperados (já) superam os 280 mil

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório