Meteorologia

  • 26 JANEIRO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 19º

Edição

Fraude no negócio do ouro no Porto penalizada com 45 condenações

Um megaprocesso por fraude fiscal no comércio do ouro terminou com 45 condenações a penas até seis anos e meio de prisão e penalizações pecuniárias de milhares de euros por um tribunal do Porto, disse hoje fonte judicial.

Fraude no negócio do ouro no Porto penalizada com 45 condenações
Notícias ao Minuto

16:56 - 26/11/20 por Lusa

País Fraude

Em causa estava a criação de um circuito documental artificial montado entre 2010 e 2014, cujo objetivo era a fuga a impostos como IVA e IRC, com faturação falsa, recurso empresas-fantasmas e testas-de-ferro ou simulação de aquisições intracomunitárias.

A julgamento no tribunal criminal de São Novo, no Porto, foram 36 pessoas, 32 das quais condenadas, e 20 empresas, sendo que 13 delas foram declaradas culpadas.

Para os arguidos singulares, as penas oscilaram entre uma multa de 1.890 euros e penas de prisão, algumas suspensas e outras efetivas, até seis anos e meio.

A suspensão de penas fica, em muitos casos, condicionada ao pagamento ao Estado de elevados montantes - 3.408.998,25 euros, 1.626.683,45 euros noutro ou 862.496,84 euros, por exemplo.

Da listagem das penas, que preenche 30 das 800 páginas do acórdão dado a conhecer às partes por depósito (ou seja, sem leitura em sala de audiência), consta ainda a condenação dos 13 arguidos coletivos a penas de multa oscilando entre 3.000 e 1.626.683,45 euros.

O tribunal julgou parcialmente procedente um requerimento de perda de vantagens formulado pelo Ministério Público, penalizando vários arguidos.

Só três deles terão de pagar, solidariamente, 1.724.993,69 euros.

Os juízes declararam perdido a favor do Estado imóveis de uma sociedade arguida por corresponderem a "vantagem proveniente da prática de crime", mas também ordenaram a restituição de alguns bens que tinham sido arrestados a arguidos, nomeadamente um automóvel Rolls Royce Silver Cloud.

A acusação deste processo foi deduzida pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) e o esquema foi desmantelado em operações da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária (PJ) e da Autoridade Tributária.

Um documento da PJ constante do processo assinalava, em 2017, "uma incongruência entre o património dos arguidos e os rendimentos lícitos declarados", num valor superior a 15 milhões de euros, "que resulta da diferença entre o declarado em termos fiscais e tudo o que detêm".

O elevado valor dos metais preciosos, "muito proeminente com a escalada das cotações internacionais verificadas nos últimos anos, confere-lhes um elevado grau de atratividade em matéria de crime, evidente no crescente número de furtos e roubos a ourivesarias, lojas de compra e venda de metais preciosos e residências", escreveu, por seu lado, a Autoridade Tributária num relatório de 500 páginas que produziu sobre este caso.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório