Meteorologia

  • 14 NOVEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Santos Silva garante que UE está preparada para reagir a "solavancos"

A União Europeia (UE) está preparada para reagir aos "solavancos" do 'Brexit', garantiu hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, reiterando o desejo do governo português de evitar uma saída sem acordo apoiando se necessário novo adiamento.

Santos Silva garante que UE está preparada para reagir a "solavancos"
Notícias ao Minuto

17:25 - 21/10/19 por Lusa

País Brexit

"Se houver algum solavanco, temos de reagir a esses solavancos como praticamente desde fins de 2016 temos feito", disse à agência Lusa em Londres, indicando disponibilidade para apoiar um novo adiamento.

"Nós sempre dissemos desde o primeiro dia que o Reino Unido, mantendo a sua decisão de saída da União Europeia, entendíamos que o pior dos cenários era uma saída sem acordo. Somos dos estados membros que se tem batido mais pela existência de um acordo com o Reino Unido e os compromissos que é necessário fazer para que esse acordo se faça", afirmou hoje à agência Lusa em Londres.

Lembrando que a UE já negociou dois acordos, um com Theresa May e outro com o atual primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse que a UE está a acompanhar o processo a decorrer no parlamento britânico.

"Ainda ontem [domingo] os embaixadores em Bruxelas estiveram reunidos porque nós estamos a fazer a nossa parte relativamente a esse acordo, isto é, a proceder de tal forma que, se a Câmara dos Comuns o vier a aprovar, o Parlamento Europeu o possa ratificar logo a seguir", explicou.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, escreveu no domingo à noite uma carta ao presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, concretizando um pedido de extensão do processo de saída do Reino Unido da UE, de acordo com o que estava determinado na lei.

O pedido foi feito porque uma votação ao acordo foi retirada no sábado devido à aprovação de uma emenda que suspenderia o seu efeito até à aprovação da respetiva legislação e que ainda não foi submetida aos deputados.

A carta, não assinada, foi acompanhada por uma outra missiva na qual afirma não considerar benéfico adiar o "divórcio" britânico para além de 31 de outubro.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório