Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2019
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 25º

Edição

Interior não pode continuar a ser "pasto de chamas", avisa Cáritas

O presidente da Cáritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco disse hoje que o território do interior desertificado não pode continuar a ser ignorado e a ser pasto de chamas, de abandono e de desumanização.

Interior não pode continuar a ser "pasto de chamas", avisa Cáritas

Em comunicado publicado hoje no sítio da internet da Cáritas Diocesana de Portalegre e Castelo Branco, Elicídio Bilé defende que, em período pré-eleitoral, "é necessário que a sociedade humana e os partidos políticos mudem de paradigma e ouçam os lamentos vindos de todo o lado, sobretudo dos autarcas e das corporações de bombeiros (...)".

O presidente da Cáritas Diocesana recorda que, ainda não cicatrizadas as feridas que os incêndios de 2017 abriram, e as mesmas populações, paróquias, autarquias e corporações de bombeiros estão de novo confrontados com o flagelo do território ardido, das habitações e dos bens patrimoniais destruídos, com a voragem das chamas e com a angústia das comunidades.

"Ouve-se o clamor de quem, repetidamente, vive rodeado de desolação, de paisagem queimada, de ar irrespirável. No ar ficam as perguntas de sempre, formuladas todos os anos: Porquê? Quem não aprendeu ou não quer aprender com a história recente? Porque se legisla para punir os poucos agricultores e as resilientes populações e não se põe em prática o manancial de legislação que pode contribuir para combater e evitar o flagelo dos fogos florestais?", questiona.

Elicídio Bilé defende que é necessário que todos estejam empenhados na coesão territorial, como grande objetivo para o desenvolvimento humano, harmonioso, integral e feliz.

"Ainda é muito cedo para fazer um balanço exaustivo do que está, mais uma vez, a acontecer no território da Diocese de Portalegre e Castelo Branco em matéria de fogos florestais", conclui.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório