Meteorologia

  • 19 OUTUBRO 2019
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 19º

Edição

Protestos contra o desvio da água da queda do Vigário em Loulé

Meia centena de pessoas manifestaram-se hoje na freguesia de Alte, no concelho de Loulé (Algarve), em protesto contra o desvio da água da ribeira local que alimenta a cascata do Vigário por parte de uma exploração de citrinos.

Protestos contra o desvio da água da queda do Vigário em Loulé
Notícias ao Minuto

21:23 - 09/06/19 por Lusa

País Algarve

Organizada por um grupo de habitantes locais, a ação de protesto decorreu durante a tarde naquela freguesia, também palco do festival musical Fusos, que reuniu várias centenas de pessoas.

Os manifestantes empunhavam cartazes onde se lia "a água é do povo", "biodiversidade sim, monoculturas não", sob o olhar atento de vários militares da Guarda Nacional Republicana.

Em declarações à agência Lusa, Suzy Lucas, uma das organizadoras do protesto cívico, disse que a manifestação visa chamar a atenção para o que se está a passar naquela ribeira, "onde a água é desviada para regar um laranjal com cerca de 120 hectares, o que origina que a cascata do Vigário fique sem água durante largos períodos de tempo".

"O desvio da água, que é um bem de todos, põe em causa o caudal e causa a mortandade de muitas espécies, colocando em causa o ecossistema", destacou.

Segundo Suzy Lucas, o movimento cívico pretende que "a empresa proprietária do pomar de citrinos faça uma gestão controlada da água em articulação com a junta de freguesia, entidade que tem a competência na área, para que a água chegue à cascata do Vigário, local que atrai milhares de pessoas durante o verão".

"Pretendemos que a empresa cumpra o que está estipulado que é gerir o curso de água na ribeira de Alte com a junta de freguesia, o que não tem acontecido até agora", sublinhou.

Na semana passada, um grupo mais radical de ativistas bloqueou com sacos de areia e cimento a comporta pela qual é encaminhada a água para a rega, levando à intervenção da GNR.

Segundo Suzy Lucas, a ação foi desencadeada por moradores que se revoltaram com "o atentado ao ecossistema que estava a ser feito, com a secagem da cascata".

"Depois de anunciarmos o protesto e como se pode ver, hoje a água está a correr, porque a empresa interrompeu o desvio da água", apontou Suzy Lucas junto à queda do Vigário.

Por seu turno, o presidente da Junta de Freguesia de Alte, António Martins, disse à Lusa que a contestação dos moradores "é legítima, porque há documentos da Agência Portuguesa do Ambiente [APA] que dizem que a empresa pode utilizar a água, mas tem de garantir que a água chegue à queda do Vigário".

"O que acontece é que a empresa alega que, basicamente, a água da nascente e da ribeira é deles e, portanto, que desvia a ribeira quando precisa de água para regar as laranjas e diz que, eventualmente, pode deixar a população utilizar a água se não puser em causa o desenvolvimento das laranjeiras", explicou.

António Martins diz que a posição da junta é diferente da do empresário e coincidente com a da APA: "Os documentos dizem que a empresa pode utilizar a água e garantir que chega à queda do Vigário e que em períodos de seca e no verão tem de articular a utilização com a Junta de Freguesia".

"O empresário responsável pela exploração de citrinos sempre se recusou a articular a água da ribeira com a junta de freguesia, alegando que a água é dele e que não tem de articular nada com a junta", lamentou o autarca.

António Martins garantiu que, com base no oficio da APA, "a Junta vai, a partir de agora, intervir para gerir e garantir que a água chega à queda do Vigário, independentemente da vontade do empresário responsável pela exploração, a não ser que o tribunal diga que a Junta não o pode fazer".

"Se depender de nós já não faltará a água na cascata do Vigário", concluiu o autarca.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório