Meteorologia

  • 20 JULHO 2019
Tempo
25º
MIN 22º MÁX 29º

Edição

Alegações finais de cidadão marroquino julgado por terrorismo adiadas

As alegações finais do julgamento do cidadão marroquino acusado de pertencer ao grupo Estado Islâmico e de recrutar operacionais em Portugal, a troco de 1.500 euros mensais, previstas para hoje, foram adiadas para 4 de junho.

Alegações finais de cidadão marroquino julgado por terrorismo adiadas
Notícias ao Minuto

13:22 - 24/05/19 por Lusa

País Marroquino

Na sessão de hoje de julgamento, que decorre no Campus da Justiça, em Lisboa, estava agendada a inquirição de um inspetor/coordenador da Polícia Judiciária (PJ) e de uma outra testemunha, que se encontra de licença por gravidez.

Como a procuradora do Ministério Público (MP) não prescindiu da inquirição da testemunha, o presidente do coletivo de juízes, Francisco Henriques, remarcou a inquirição da mulher, seguida de alegações finais, para as 9h30 de 4 de julho.

Na audiência de hoje, o coordenador da PJ reatou os contactos e a troca de informações que existiram com congéneres de outros países em relação ao arguido, que esteve em vários países europeus, entre os quais Suécia, Noruega, Dinamarca e Alemanha, e da América Latina, designadamente no Panamá e no Brasil.

Na primeira sessão de julgamento, que começou a 1 de abril, Abdesselam Tazi, de 65 anos e que se encontra em prisão preventiva desde 23 de março de 2017 na cadeia de alta segurança de Monsanto, em Lisboa, disse que "nunca recrutou ninguém nem financiou o terrorismo", considerado que a acusação "é como um filme de Hollywodd".

O arguido responde por oito crimes: adesão a organização terrorista internacional, falsificação com vista ao terrorismo, recrutamento para o terrorismo, financiamento do terrorismo e quatro crimes de uso de documento falso com vista ao financiamento do terrorismo.

Segundo a acusação do MP, Abdesselam Tazi deslocou-se várias vezes ao Centro de Acolhimento para Refugiados, no concelho de Loures, para recrutar operacionais para esta organização, prometendo-lhes mensalmente 1.800 dólares norte-americanos (cerca de 1.500 euros).

Abdesselam Tazi fez-se sempre acompanhar por Hicham El Hanafi, que havia radicalizado e recrutado em Marrocos, antes de ambos viajarem para a Europa. O MP diz que o processo de refugiado, os apoios e a colocação em Portugal deste suspeito foram idênticos aos do arguido, tendo ambos ficado a viver juntos no distrito de Aveiro.

"Pelo menos a partir de 23 de setembro de 2013, a principal atividade desenvolvida pelo arguido em Portugal consistia em auxiliar e financiar a deslocação de cidadãos marroquinos para a Europa e em obter meios de financiamento para a causa 'jihadista'", indica a acusação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal.

O MP conta que Abdesselam Tazi "passou a visitar regularmente" o Centro de Acolhimento para Refugiados (CAR) "para dar apoio às pessoas em relação às quais organizara a sua vinda para Portugal e outros migrantes jovens que pudessem ser radicalizados e recrutados para aderirem ao Daesh" (acrónimo árabe do grupo extremista Estado Islâmico), procurando convencê-las de "que teriam uma vida melhor se aderissem ao Daesh e fossem viver para a Síria".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório