Meteorologia

  • 18 FEVEREIRO 2019
Tempo
12º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

Agricultores podem ficar com "corda na garganta" devido à falta de chuva

A Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) mostrou-se hoje "apreensiva" devido à falta de chuva, defendendo a criação, por parte do Governo, de um grupo de trabalho permanente que estude os fenómenos das alterações climáticas.

Agricultores podem ficar com "corda na garganta" devido à falta de chuva
Notícias ao Minuto

14:33 - 22/01/19 por Lusa

País CAP

"Não só começamos a ficar apreensivos como relembramos que no ano passado, por esta altura, estávamos autenticamente com a corda na garganta, com o país todo em seca extrema", afirmou Eduardo Oliveira e Sousa, em declarações aos jornalistas em Portalegre, no Alto Alentejo.

O responsável, que falava após uma reunião do Conselho Consultivo do Alto Alentejo da CAP, recordou que, durante o período de seca, em 2018, a confederação reivindicou a criação de um grupo de trabalho "permanente e multidisciplinar" para estudar o fenómeno das alterações climáticas.

"Na altura, a CAP dizia que precisamos de ter um grupo de trabalho permanente, não é depois de chover dissolver o grupo de trabalho. Precisamos de ter um grupo de trabalho permanente e multidisciplinar que vá percebendo o que é este fenómeno das alterações climáticas e como é que nós aprendemos a viver e a combater os fenómenos que estão ligados às alterações climáticas", disse.

Segundo Eduardo Oliveira e Sousa, essa comissão "nunca foi criada com esta premência", tendo sido constituído "um grupo" que realizou "algum trabalho" durante a seca de 2018.

Alertando que Portugal vai viver, no futuro, uma realidade diferente no que diz respeito ao clima, o presidente da CAP considerou ser "fundamental" que o Governo se "capacite" que a atividade agrícola é o principal meio de sobrevivência de várias regiões.

"É fundamental que o Governo se capacite que as alterações climáticas na região interior do país, onde a agricultura é uma atividade importante, têm relevância e impacto na economia e na estabilidade das pessoas. Isso tem de ser feito com base numa equipa que esteja permanentemente a olhar para estes problemas", declarou.

Portugal continental estava no final de dezembro de 2018 em seca meteorológica fraca a sul do Tejo devido aos baixos valores de precipitação registados naquele mês, classificado como quente e muito seco, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com índice meteorológico de seca (PDSI) disponível no 'site' do IPMA, a 31 de dezembro, 53,3% do território estava na classe de seca fraca, 13,7% na classe normal e 33% na classe de chuva fraca.

A 30 de novembro, 9,8% do território estava na classe normal, 89,6% em chuva fraca e 0,6% em seca moderada.

O IPMA classifica em nove classes o índice meteorológico de seca, que varia entre "chuva extrema" e "seca extrema".

Segundo o Boletim Climatológico do IPMA, o mês de dezembro em Portugal Continental classificou-se como quente em relação à temperatura do ar e muito seco em relação à precipitação.

O valor médio da temperatura média do ar (10,58 graus Celsius) foi superior ao normal, sendo o 3.º valor mais alto desde 2000.

O IPMA indica também que valores da temperatura média superiores aos registados a dezembro de 2018 ocorreram em cerca de 20% dos anos, desde 1931.

"O valor médio da temperatura máxima do ar, 15,21 graus, foi superior ao normal, sendo o 3.º valor mais alto desde 1931 (maiores valores em 2015 e 2016)".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório