Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2018
Tempo
14º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

'Joãozinho' acusa São João de "má vontade" por causa de Centro Pediátrico

A Associação O Joãozinho acusou hoje o Hospital de São João, no Porto, de não ter o Centro Pediátrico concluído por "não querer", por "má vontade", por "boicote" e por "incumprimentos contratuais".

'Joãozinho' acusa São João de "má vontade" por causa de Centro Pediátrico
Notícias ao Minuto

20:25 - 20/09/18 por Lusa

País Associação

Em declarações à Lusa, o presidente da associação, Pedro Arroja, disse que se as obras não tivessem sido interrompidas em março de 2016, no final deste ano estariam concluídas.

Reagindo ao facto de o Governo ter autorizado na quarta-feira a administração do Centro Hospitalar Universitário de São João a lançar o concurso para a conceção e projeto das novas instalações do Centro Pediátrico, Pedro Arroja recordou que já existe um projeto que tem seis anos.

O projeto de arquitetura existe, tem seis anos e custou 700 mil euros ao hospital, revelou, acrescentando que se agora decidirem fazer um novo este vai ser "deitado à rua".

"O hospital cedeu-nos o projeto para executarmos os trabalhos, não estando nada obsoleto, é um projeto moderníssimo", afirmou.

Pedro Arroja lembrou que a unidade hospitalar tem um contrato com a associação para executar a obra em cooperação, por via mecenática, cujos contratos assumidos pela administração "não estão a ser cumpridos".

"A obra está começada, os trabalhos de demolição das antigas instalações existentes no espaço estão feitos, mas, entretanto, o hospital desde há dois anos e meio que não nos desocupou o serviço de sangue, que tem de ser demolido, para prosseguirmos com a empreitada", contou.

Dizendo que o estaleiro da obra se mantém no hospital, o presidente da associação considerou que "há boicote" por parte da administração, há "má vontade", há "incumprimentos contratuais" e "outros interesses".

"Não tem a ala pediátrica porque não quer porque se a obra não ficasse interrompida estaríamos a conclui-la pelo final deste ano", frisou.

Acusando a administração de "não querer a obra" feita pelo o Joãozinho, Pedro Arroja avançou "estar farto" de tentar reunir-se com a administração para que cumpram o estipulado, mas não tem conseguido porque a outra parte não quer.

Classificando o despacho assinado pelos ministérios da Saúde e das Finanças como "negativo", o presidente comentou que, ao contrário do que se tem vindo a fazer querer nas notícias, o despacho o que diz é que o hospital está autorizado a lançar concurso para a concessão e projeto da ala pediátrica e não para a sua empreitada.

"Isto é remeter para as calendas gregas do início da obra", entendeu, reforçando que é mais uma forma de "atirar areia para os olhos das pessoas".

Com a elaboração de novo projeto, as obras de construção do Centro Pediátrico não irão arrancar nos próximos quatro anos, garantiu.

Também hoje o porta-voz dos pais de crianças com doença oncológica tratadas no São João considerou "pouco claro" o despacho, mostrando receio de voltar à "estaca zero".

Contactado pela Lusa o Hospital São João escusou-se a comentar as acusações da associação.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório