Meteorologia

  • 20 JULHO 2018
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 20º

Edição

Marcelo diz que jamais serão esquecidas as personagens de Laura Soveral

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que jamais serão esquecidas as personagens interpretadas por Laura Soveral, nem o seu papel no cinema, numa reação à morte da atriz, ocorrida hoje de madrugada, em Lisboa.

Marcelo diz que jamais serão esquecidas as personagens de Laura Soveral
Notícias ao Minuto

15:48 - 12/07/18 por Lusa

País Presidente

"Não esqueceremos as personagens que nos deixou, altivas como a Maria Prazeres de 'Uma Abelha na Chuva', comoventes como a Aurora de 'Tabu', porque foi em Laura Soveral que os nossos cineastas pensaram, quando quiseram que o cinema português fosse moderno", afirma Marcelo Rebelo de Sousa, na mensagem de pesar publicada no 'site' da Presidência da República.

A atriz Laura Soveral "fica sobretudo como presença fundamental do cinema português, em 'Uma Abelha na Chuva', de Fernando Lopes, e em 'Tabu', de Miguel Gomes, mas também em 'Francisca' ou 'Vale Abraão', de Manoel de Oliveira", escreve Marcelo Rebelo de Sousa, que lembra igualmente a participação da atriz nos filmes de José Fonseca e Costa, José Álvaro Morais, João Botelho e Teresa Villaverde.

O Presidente da República recorda ainda a interpretação de atriz em textos de Kafka e de Arthur Miller, com o Grupo de Ação Teatral, no Teatro Villaret, em 1970/71, e sua versatilidade, assinalada desde o início da carreira, com os prémios de Melhor Atriz de Cinema e com o Prémio Bordalo da Casa da Imprensa, em Teatro.

Laura Soveral morreu hoje, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, vítima de Esclerose Lateral Amiotrófica, disse à Lusa a filha da atriz.

Nascida em Benguela, Angola, em 23 de março de 1933, Laura Soveral fixou-se em Lisboa, nos anos de 1960. Estreou-se em 1964, no Grupo Fernando Pessoa, dirigido por João d'Ávila.

O magazine literário Hospital das Letras, de David Mourão-Ferreira, dramas como "O Homem Multiplicado", de Herlander Peyroteo, e "As Preciosas Ridículas", de Jorge Listopad, estão entre as produções televisivas em que participou, a par das telenovelas "O Casarão" e "Duas Vidas", da Rede Globo, em que atuou, quando se fixou no Brasil, na década de 1970.

A telenovela "Belmonte", emitida pela TVI em 2014, foi a última em que participou.

Nos palcos, trabalhou com companhias como Teatro da Cornucópia, Teatro Experimental de Cascais, Novo Grupo/Teatro Aberto e A Barraca, tendo participado em encenações como "O avarento", "A Casa de Bernarda Alba", "O processo de Kafka", "D. Quixote" e "Primavera Negra".

Em 2013, fez a derradeira atuação em teatro, com "O Público", sobre textos de Federico García Lorca, com encenação de António Pires, numa produção conjunta do Teatro do Bairro, com o Teatro São Luiz, em Lisboa.

No cinema, as últimas atuações de Laura Soveral, depois de "Tabu", passaram por "Cadências Obstinadas", de Fanny Ardant, e "Os Maias - Cenas da Vida Romântica", de João Botelho.

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu-a com o prémio de carreira, em 2013, e com o Prémio Bárbara Virgínia, de homenagem a mulheres do cinema português, em 2017.

Na altura, a academia disse que Laura Soveral representa "um extraordinário exemplo de determinação e profissionalismo para gerações futuras".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório

Os cookies ajudam-nos a melhorar a sua experiência como utilizador.

Ao utilizar o nosso website, está a aceitar o uso de cookies e a concordar com a nossa política de utilização.