Meteorologia

  • 25 NOVEMBRO 2017
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Colômbia vive hoje a sua "Revolução dos Cravos"

O Presidente colombiano disse hoje que a Colômbia está a viver "a sua Revolução dos Cravos", após o acordo de paz com as FARC, e que, tal como fez Portugal, pode tornar-se um exemplo de convivência.

Colômbia vive hoje a sua "Revolução dos Cravos"
Notícias ao Minuto

18:26 - 13/11/17 por Lusa

Mundo Presidente

Juan Manuel Santos falava em Lisboa no decorrer de uma cerimónia na Universidade Nova, que hoje lhe concedeu o título de Doutor Honoris Causa.

No final do ano passado, o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) assinaram um acordo de paz que pôs fim a mais de 50 anos de guerra civil no país. O acordo contemplava, entre outros pontos, o desarmamento completo das FARC e a sua extinção enquanto movimento de guerrilha, passando a existir como movimento político.

"Alegra-me vir hoje como representante de uma nova Colômbia, que por fim respira o ar vivificante da paz. (...) Quero fazer um paralelo com Portugal, porque vocês também viveram -- à vossa maneira e por muitas décadas -- a dor e o atraso causados pelo conflito entre filhos de uma mesma nação", disse o chefe de Estado colombiano, numa referência ao período da ditadura em Portugal.

"Mais de 7.000 homens das FARC entregaram todas as suas armas a representantes das Nações Unidas, o passo mais transcendental de qualquer processo de paz. (...) De certa maneira, vivemos nestes dias a nossa própria Revolução dos Cravos", realçou Juan Manuel Santos, num discurso que fez levantar em aplauso o público no auditório da Nova e o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, a seu lado no palco.

O próximo desafio, disse, será o da convivência entre os colombianos que querem paz e perdoar e aqueles que preferem a vingança para as famílias das vítimas das FARC. Também aqui, a Revolução dos Cravos que Portugal viveu em 1974 pode ser um exemplo.

"Hoje [vocês] são uma nação exemplo de tolerância, de espírito pacifista, de abertura e de tolerância. Por isso me alegra tanto vir a Portugal para recordar que os povos, mesmo depois dos mais duros conflitos, podem sarar feridas e avançar juntos rumo ao futuro", sublinhou.

O chefe de Estado colombiano recordou ainda um episódio que liga a sua família a Portugal e à luta contra o fascismo, contando que o seu avô, Henrique Santos Montejo, foi nomeado embaixador em Lisboa no início dos anos 1960.

"No entanto, quando chegou a Lisboa confrontou-se com um sistema que estava contra as suas convicções democráticas e, sobretudo, contra a sua formação filosófica liberal. Ele que, como jornalista, tinha sofrido a censura da única ditadura que a Colômbia teve no século XX, sentiu reviver, em solo português, os problemas que tinha sentido na sua própria pátria", contou o Presidente colombiano.

O então embaixador colombiano ajudou dois opositores do regime de Salazar a obter asilo diplomático, o que não terá agradado ao governo português.

"Devido a essa conduta teve de renunciar [ao cargo], sem cumprir nem dois meses. Mas preferiu fazê-lo, em vez de conviver com um regime que desprezava a liberdade, um valor que ele considerava o primeiro de todos e que eu, o seu neto, também considero", concluiu.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório