Temer repudia violência em protestos com feridos e destruição nas ruas

O Presidente do Brasil, Michel Temer, repudiou os atos de vandalismo e violência de manifestantes terça-feira em frente ao Congresso, em Brasília, que fizeram feridos e deixaram um rasto de destruição nas ruas e em ministérios.

© DR
Mundo Brasil

"A intolerância não é forma de expressão democrática e não pode ser instrumento para pressionar o Congresso", disse o chefe de Estado, através do porta-voz da Presidência, Alexandre Parola.

PUB

De acordo com o mesmo porta-voz, o executivo sempre esteve aberto ao diálogo e defende o direito às reivindicações, mas jamais aceitará atos de destruição do património.

Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal, cerca de 10 mil manifestantes, a maioria do movimento "Ocupa Brasília", protestaram terça-feira à tarde em frente ao Congresso.

Em causa está a oposição à Proposta de Emenda Constitucional (PEC), que limita os gastos públicos do Governo para os próximos 20 anos, em discussão no Senado na terça-feira, e à reforma do ensino secundário.

Ao final da tarde de terça-feira (madrugada de quarta-feira em Portugal), manifestantes viraram carros e a Polícia Militar reagiu com bombas de gás lacrimogéneo, segundo o portal de notícias G1.

Depois, os manifestantes partiram vidros e aparelhos de ar condicionado dos Ministérios do Desporto e Desenvolvimento Agrário e da Educação, arrancaram placas de trânsito, destruíram estações de autocarro e atearam fogo a veículos.

O Museu Nacional e outros prédios na zona foram alvo de pinturas.

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Paz Social do Distrito Federal informou terça-feira à noite que dois polícias ficaram feridos - um com uma facada no ombro direito e outro após levar uma pedrada na cabeça - mas estão "fora de risco".

Segundo a mesma entidade, "o Corpo de Bombeiros registou 40 atendimentos, todos casos sem gravidade".

"Quatro pessoas foram conduzidas à esquadra e cinco ocorrências de dano foram registadas na Polícia Federal", lê-se na nota da secretaria, que adiantou: "as investigações de danos ao património e ações violentas seguirão a partir das imagens em posse dos órgãos de segurança".

Em comunicado, a União Nacional dos Estudantes (UNE), que falou em 50 mil manifestantes, repudiou a ação policial, dizendo: "O que nos assusta e nos deixa perplexos é a Polícia Militar do governador Rollemberg jogar bombas de efeito moral, gás de pimenta, cavalaria e balas de borracha contra estudantes, alguns menores de idade, que protestam pacificamente".

"Esse é o reflexo de um governo autoritário, ilegítimo e que não tem um mínimo de senso de diálogo", lê-se na nota.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS