A situação em Alepo "é dantesca"

A situação em Alepo, na Síria, é "dantesca" e os Médicos Sem Fronteiras (MSF) "exigem a todos os países envolvidos no conflito e à comunidade internacional que os civis sejam respeitados e que se cumpra a lei humanitária internacional".

© Getty Images
Mundo MSF

 

PUB

"A situação em Alepo é catastrófica. Tem estado muito mal nos últimos anos, mas desde o cerco, há três meses, e, sobretudo, nas últimas três semanas, com a intensificação dos bombardeamentos, a situação está a ficar dramática, catastrófica e insustentável para os habitantes da zona leste de Alepo", afirmou à Lusa, pelo telefone, o responsável da organização humanitária para a Síria, Carlos Francisco.

Para os cerca de 250 mil habitantes encurralados nos bairros da zona leste de Alepo, o cenário é "dantesco", na descrição do médico espanhol.

"Há uma situação dantesca, com dezenas de feridos a chegarem todos os dias a uns hospitais com capacidades muito limitadas, porque estão há muitos anos a sofrer os bombardeamentos e os ataques da aviação síria", afirmou.

"Os poucos médicos que ainda restam na zona, que serão uns trinta e cinco, aproximadamente, estão a trabalhar 24h por dia para tentar salvar a vida dos feridos que os bombardeamentos produzem todos os dias. Mas a isto juntam-se todos os outros problemas de saúde que não estão diretamente relacionados com os bombardeamentos", disse o médico.

"Sabemos que a saúde materno-infantil é um problema grave, assim como todas as doenças crónicas, as segundas operações de feridos que necessitam de algum tipo de reconstrução são impossíveis", descreveu Carlos Francisco, que dirige a missão da MSF na Síria a partir de Gaziantep, uma cidade no sudeste da Turquia, situada junto à fronteira com a Síria, a menos de 120 quilómetros de Alepo.

Perante a "deterioração paulatina e muito acelerada" da situação médica da população da zona leste de Alepo, a organização humanitária reitera o que tem "vindo a exigir desde o início da guerra: que se respeite a vida dos civis. Exigimo-lo, tem que se cumprir a lei humanitária internacional", sublinhou o médico.

"É uma exigência de todos os países e é extensível aos países que estão a participar no conflito, que são muitos. Exigimos à comunidade internacional e à sociedade civil que os civis sejam respeitados, que se deixe de bombardear áreas residenciais onde vivem, que se deixe de bombardear as infraestruturas básicas para a sua sobrevivência", sublinhou o médico.

"Foram bombardeadas as estações de água potável, foram bombardeados os mercados, foram bombardeadas as padarias, foram bombardeadas as escolas e estações de autocarro, foram bombardeados e estão a ser bombardeados os hospitais", acusou.

Durante o mês de julho último, "os oito hospitais que estavam a funcionar na altura receberam 23 ataques, numa média de três ataques por hospital", denunciou Carlos Francisco.

"Isto tem que acabar. Não pode continuar-se a bombardear o pessoal médico e o pessoal de resgate que está a tentar salvar a vida de civis atingidos pelos bombardeamentos. Não pode continuar o bloqueio ao acesso da ajuda humanitária à zona leste de Alepo", continuou o mesmo responsável.

"Isto é o que exigimos a todas as partes envolvidas neste conflito. Que se respeitem os civis e as organizações humanitárias. Sabemos que é o Governo sírio e a Rússia que estão a bombardear Alepo, mas as nossas exigências são dirigidas a todos os grupos armados e a todos os países que, de uma forma ou de outra, estão a participar neste conflito", concluiu o médico da MSF.

Os Estados Unidos, a Rússia e os principais países da região envolvidos na guerra na Síria debateram no passado sábado, em Lausana, Suíça, "ideias novas" para relançar negociações para um cessar-fogo, nos termos do secretário de Estado norte-americano, John Kerry.

Da reunião de pouco mais de quatro horas, não obstante, e apesar da "grande troca de ideias", as partes continuam incapazes de se entender acerca de uma iniciativa que permita parar os combates em Alepo, onde 250.000 pessoas estão sitiadas há vários meses na zona leste controlada pelos rebeldes.

Centenas de pessoas, na sua grande maioria civis, morreram em Alepo em bombardeamentos particularmente violentos desde o início a 22 de setembro de uma ofensiva do exército sírio, apoiado pelo seu aliado russo.

Alepo tornou-se um dos símbolos da guerra que devasta a Síria desde 2011 e que já matou mais de 300.000 pessoas, tendo obrigado mais de metade da população a abandonar as suas casas.

 

COMENTÁRIOS REGRAS DE CONDUTA DOS COMENTÁRIOS