Meteorologia

  • 17 JULHO 2024
Tempo
22º
MIN 16º MÁX 29º

'Shake It Off'… outra vez. Taylor Swift fez Edimburgo 'tremer'

As três noites de concerto registaram atividade sísmica, tendo seguido um padrão sismográfico semelhante. Contudo, o chão 'tremeu' de forma mais intensa no espetáculo de sexta-feira.

'Shake It Off'… outra vez. Taylor Swift fez Edimburgo 'tremer'
Notícias ao Minuto

19:01 - 13/06/24 por Notícias ao Minuto

Mundo Taylor Swift

Taylor Swift voltou a fazer a Terra tremer. Desta vez, foram os concertos no Murrayfield Stadium, em Edimburgo, na Escócia, que geraram atividade sísmica, de tal forma que o fenómeno foi detetado até seis quilómetros de distância do recinto.

Quem o confirmou foi a agência britânica de monitorização de fenómenos sísmicos, o British Geological Survey (BGS), esta quinta-feira.

O organismo detalhou que as três noites de concerto registaram atividade sísmica, tendo seguido um padrão sismográfico semelhante. Contudo, o chão tremeu de forma mais intensa no espetáculo de sexta-feira.

“Com base na amplitude máxima de movimento (a distância a que o solo se move), o evento de sexta-feira à noite foi o mais energético por uma pequena margem, registando 23,4 nanômetros (nm) de movimento, contra 22,8 nm e 23,3 nm no sábado e domingo, respetivamente”, indicou.

Além disso, os temas '...Ready For It?', 'Cruel Summer', 'champagne problems' e, claro, 'Shake It Off' foram os que originaram tremores mais significativos.

O pico da atividade gerada pelos 'Swifties' situou-se nas 160 batidas por minuto durante '…Ready For It?', música em que a plateia gerou aproximadamente 80 kW de potência, o equivalente a cerca de 10 a 16 baterias de automóvel.

Ainda assim, e de acordo com a entidade, “é pouco provável que as vibrações geradas pelo concerto tenham sido sentidas por qualquer outra pessoa que não as que estavam nas imediações”.

“É evidente que a reputação da Escócia enquanto público entusiasmado permanece intacta!”, considerou o sismólogo Callum Harrison.

Recorde-se que a norte-americana também fez o chão tremer em Seattle, nos Estados Unidos, onde os seus concertos de julho do ano passado geraram uma atividade sísmica equivalente a um terramoto de magnitude 2,3.

Lisboa, cidade em que Taylor Swift atuou pela primeira vez a 24 e 25 de maio, não ficou imune ao fenómeno. De facto, foi possível detetar atividade sísmica também a seis quilómetros de distância do palco, segundo contou ao Público a sismóloga Susana Custódio, professora da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) e investigadora do Instituto Dom Luiz.

Depois de Edimburgo, a digressão 'The Eras Tour' segue para Liverpool, no Reino Unido.

Leia Também: Taylor rendeu-se a Lisboa. Assistimos à 'Love Story' em dose dupla

Recomendados para si

;
Campo obrigatório