Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
MIN 9º MÁX 16º

Olaf Scholz defende produção em "grande escala" de armamento na Europa

O chanceler alemão, Olaf Scholz, instou hoje os europeus a voltarem-se para a produção em massa da equipamento militar, favorecendo encomendas agrupadas e de longo prazo, e alertou para a ameaça duradoura representada pela Rússia.

Olaf Scholz defende produção em "grande escala" de armamento na Europa
Notícias ao Minuto

23:35 - 12/02/24 por Lusa

Mundo Chanceler alemão

O líder do Governo alemão marcou hoje presença na cerimónia de inauguração de uma nova fábrica do fabricante de armas Rheinmetall, no maior complexo industrial de defesa do país, em Untelüss, no norte da Alemanha.

A nova unidade deve produzir munições de artilharia de 155 milímetros a partir de 2025, visando gradualmente uma capacidade de 200 mil projéteis por ano.

Segundo Scholz, este é uma 'chamada' para os europeus, para que fortaleçam a base industrial de defesa do continente.

"Devemos (...) voltar-nos para a produção de armas em grande escala", insistiu Olaf Scholz, lembrando que esta é uma "necessidade urgente".

"Por mais dura que seja esta realidade, não vivemos tempos de paz", sublinhou o chanceler alemão.

A guerra da Rússia na Ucrânia e as "ambições imperiais" de Vladimir Putin representam "uma grande ameaça", alertou.

Nesta situação, "quem quer a paz deve conseguir dissuadir possíveis agressores", defendeu o chefe do Governo na Alemanha.

Apesar dos milhares de milhões de euros em armas entregues à Ucrânia pelos países da União Europeia (UE) desde o início da invasão russa, estes ainda estão longe de ter alcançado capacidade suficiente para apoiar de forma sustentável o país e reconstituir as suas próprias reservas.

De acordo com Olaf Scholz, para resolver estes problemas é necessária uma cooperação industrial "mais estreita" entre os 27 Estados-membros.

"Uma defesa forte exige uma base industrial sólida. Isto acontecerá se nós, europeus, agruparmos as nossas encomendas, se unirmos os nossos recursos e assim dermos à indústria perspetivas para os próximos 10, 20 ou 30 anos", sublinhou.

Scholz reconheceu ainda que a Alemanha tem sido um mau exemplo, porque a política de armamento "foi executada como se fosse uma questão de comprar um carro", sem o planeamento a longo prazo que tem sido necessário para que as indústrias de defesa invistam. em capacidades adicionais.

A Rheinmetall pretende produzir, em todas as suas instalações na Europa, até 700 mil projéteis de artilharia por ano em 2025, em comparação com 400 a 500 mil este ano. Antes da guerra russa na Ucrânia, produzia apenas 70.000.

O maior fabricante de armas alemão "já tem uma capacidade superior à dos Estados Unidos" em termos de produção de munições de 155 milímetros, garantiu à agência France-Presse (AFP) Armin Papperger, chefe da Rheinmetall.

No futuro, "os Estados Unidos gostariam de produzir um milhão de munições por ano e a Europa dois a três milhões, graças a uma união entre parceiros europeus", acrescentou.

Até ao final de março, os europeus terão fornecido apenas metade do milhão de munições prometidas à Ucrânia no ano passado.

Leia Também: Olaf Scholz considera entrevista de Putin um "absurdo"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório