Meteorologia

  • 15 JULHO 2024
Tempo
25º
MIN 18º MÁX 26º

Moçambique usa publicidade na imprensa para rejeitar exigências da Renamo

O Governo moçambicano inseriu em forma de publicidade na imprensa estatal uma resenha do diálogo com a Renamo, em que considera inaceitáveis as exigências do principal partido de oposição em relação às Forças de Defesa e Segurança.

Moçambique usa publicidade na imprensa para rejeitar exigências da Renamo
Notícias ao Minuto

13:53 - 09/07/14 por Lusa

Mundo Governo

Numa atitude inédita no âmbito do processo negocial, o executivo moçambicano inseriu publicidade no estatal Notícias, o diário de maior circulação no país, e no Jornal de Moçambique, publicado pelo Gabinete de Informação, dependente do primeiro-ministro, apresentando um resumo do processo negocial em que acusa a Renamo de falta de sentido de Estado.

"As propostas da Renamo são contrárias à Constituição da República de Moçambique, desprovidas de sentido de Estado e revelam falta de respeito às instituições legalmente instituídas. Por isso, são inaceitáveis", diz-se nas considerações finais do texto.

O Governo moçambicano e a Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) estão num impasse nas negociações sobre a crise política e militar no país, devido a divergências em torno do desarmamento do braço armado do movimento, envolvido em confrontos com o exército e ataques a alvos civis e militares no centro do país.

O Governo acusa o principal partido da oposição de se "socorrer de chantagens e pronunciamentos intimidatórios para impor paridade nas Forças de Defesa e Segurança (FDS)".

Na sua declaração, as autoridades moçambicanas referem que continuarão a privilegiar o diálogo, mas reiteram que "as FDS continuarão a defender o povo e a defender-se a si próprias" dos ataques dos homens armados da Renamo.

O Governo diz que, no âmbito do diálogo em curso, cedeu às exigências do principal partido da oposição, de nomear representantes do movimento para o Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE) e reforçar a sua presença na Comissão Nacional de Eleições (CNE).

De acordo com o texto que o executivo moçambicano colocou nas páginas de publicidade, as negociações com a Renamo estão encalhadas devido à exigência do movimento de nomear o chefe de Estado-Maior General das FDS e o comandante-geral da Polícia da República de Moçambique.

A guerra de argumentos na imprensa, entre o Governo e a Renamo, sobre a instabilidade político-militar no país, têm vindo a subir de tom nos últimos dias, à medida que o país avança rumo às eleições gerais (presidenciais, legislativas e assembleias provinciais) de 15 de outubro.

Na segunda-feira, o porta-voz da Renamo, António Muchanga, foi preso por alegada instigação à violência, à saída da reunião do Conselho de Estado, que momentos antes lhe retirara a imunidade na qualidade de conselheiro.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório