Meteorologia

  • 21 FEVEREIRO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 20º

Lula preocupado com Essequibo. América do Sul não precisa de guerra

O presidente do Brasil afirmou hoje, na Cimeira do Mercosul, que acompanha com preocupação as tensões entre a Venezuela e a Guiana sobre o região do Essequibo e defendeu que a América do Sul não precisa de uma guerra.

Lula preocupado com Essequibo. América do Sul não precisa de guerra
Notícias ao Minuto

18:11 - 07/12/23 por Lusa

Mundo Brasil

"Todos vocês acompanham, conhecem um pouco da história, e nós estamos acompanhando com crescente preocupação o desdobramento relacionado à questão do Essequibo. O Mercosul não pode ficar alheio a essa situação", afirmou Lula da Silva. 

"Se uma coisa que nós não queremos aqui na América do Sul é guerra, que nós não precisamos é de guerra. Nós não precisamos de conflito. O que nós precisamos é construir a paz, porque somente com muita paz a gente pode desenvolver os nossos países', acrescentou.

O Presidente brasileiro falava na abertura da Cimeira do Mercado Comum do Sul (Mercosul), no Rio de Janeiro, que também contou com a presença dos Presidentes da Argentina, Alberto Fernandes, do Paraguai, Santiago Peña, e do Uruguai, Luis Alberto Lacalle Pou, países que compõe o Mercosul, além de outras autoridades regionais.

Lula da Silva destacou que o Brasil não quer que esse tema contamine a retomada do processo de integração regional ou constitua ameaça à paz e à estabilidade na região e pediu que a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) e a União de Nações Sul-Americanas (UNASUL) intervenham no encaminhamento pacífico dessa questão.

As divergências ressurgiram depois do Governo de Nicolás Maduro ter convocado um referendo para o dia 30 de novembro sobre a possível incorporação do Essequibo no mapa nacional e a concessão da nacionalidade venezuelana aos 125 mil habitantes da área disputada.

O referendo teve a participação de 10,5 milhões de eleitores venezuelanos, dos quais 95,93% aceitaram incorporar oficialmente Essequibo no país e a concessão de cidadania e de documento de identidade aos mais de 120 mil guianenses que vivem no território. 

Na quarta-feira, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, determinou a criação de um estado na Guiana e a anexação do território de Essequibo, aumentando as tensões na região.

O anúncio foi feito durante um Conselho Federal de Governo (CFG), no qual participaram o Conselho de Estado e o Conselho de Defesa da Nação (CDF), no auditório da Universidade Militar do Exército, no Forte de Tiúna, a principal base militar de Caracas.

A região de Essequibo, que aparecia nos mapas venezuelanos como "zona em reclamação", está sob mediação da ONU desde 1966, quando foi assinado o Acordo de Genebra.

Com uma extensão de 160 mil quilómetros quadrados e rico em minerais, Essequibo está sob administração da Guiana, com base num documento assinado em Paris, em 1899, que estabelece limites territoriais que a Venezuela não aceita.

Em 2015, a ExxonMobil descobriu várias jazidas petrolíferas no Essequibo.

Entretanto, a Guiana autorizou já oito empresas petrolíferas estrangeiras a explorar jazidas petrolíferas em águas reclamadas pela Venezuela.

Leia Também: Lula convidará Putin para cimeira do G20 (apesar do mandado de detenção)

Recomendados para si

;
Campo obrigatório