Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Xi Jinping recebe Lukashenko pela segunda vez este ano em Pequim

Os líderes da China e Bielorrússia, Xi Jinping e Alexander Lukashenko, reuniram-se hoje, em Pequim, para discutir "questões comerciais, económicas, de investimento e de cooperação internacional", o segundo encontro este ano, informou a imprensa estatal.

Xi Jinping recebe Lukashenko pela segunda vez este ano em Pequim
Notícias ao Minuto

06:13 - 04/12/23 por Lusa

Mundo China/Bielorrússia

Vídeos publicados pela agência noticiosa oficial bielorrussa mostram a chegada de Lukashenko à capital chinesa num avião oficial bielorrusso.

De acordo com a agência, a visita de Lukashenko à China inclui "questões comerciais, económicas, de investimento e de cooperação internacional".

Lukashenko foi recebido pelo vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Ma Chaoxu.

Isolado na Europa e no resto do Ocidente devido à sua governação autoritária, o governo de Lukashenko voltou-se para parceiros como Pequim e Moscovo.

Em março, o líder bielorrusso visitou Pequim. Na altura, Xi declarou que a amizade entre Pequim e Minsk é "forte e inquebrável".

Há um ano, o ministro dos Negócios Estrangeiros bielorrusso, Vladimir Makei, anunciou que a Bielorrússia iria reduzir significativamente a presença diplomática nos países ocidentais e aumentá-la na Comunidade de Estados Independentes (CEI), na China e noutras nações.

Durante uma visita a Minsk do então ministro da Defesa chinês, Li Shanfu, o líder bielorrusso disse que China e Bielorrússia "partilham a mesma visão da ordem mundial".

"Defendemos absolutamente um mundo multipolar, a integridade territorial e a unidade das fronteiras e territórios formados após a Segunda Guerra Mundial", afirmou o líder bielorrusso.

"Em suma, toda a base na qual a política externa da China está assente é idêntica à nossa. Há mais de 30 anos que apoiamos a China em todas as suas aspirações, porque consideramos a política interna e externa da República Popular da China absolutamente justa e voltada para a resolução pacífica de quaisquer disputas e conflitos", acrescentou.

A invasão da Ucrânia pela Rússia coincidiu com o rápido deteriorar da relação entre China e Estados Unidos, face a uma prolongada guerra comercial e tecnológica, o estatuto de Hong Kong e Taiwan ou a soberania do Mar do Sul da China.

Pequim reforçou os laços diplomáticos e económicos com Moscovo e outros países antagónicos à ordem liberal democrática, incluindo Bielorrússia e Irão.

Em Minsk, Li Shanfu prometeu que Pequim vai aumentar a cooperação militar com a Bielorrússia, país aliado da Rússia onde Moscovo está a implantar armas nucleares tácticas.

Leia Também: Lukashenko parte hoje para a China para reunião com Xi Jinping

Recomendados para si

;
Campo obrigatório