Meteorologia

  • 29 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Negligência na prisão permitiu suicídio de Epstein

Um relatório do Departamento de Justiça norte-americano revelou hoje que uma série de negligências do sistema prisional permitiu que o magnata Jeffrey Epstein se suicidasse na sua cela em agosto de 2019, enquanto aguardava julgamento por tráfico sexual.

Negligência na prisão permitiu suicídio de Epstein
Notícias ao Minuto

17:18 - 27/06/23 por Lusa

Mundo Jeffrey Epstein

Segundo o relatório, houve diversos fatores que facilitaram o suicídio, como falhas nas câmaras de vigilância e o facto de a Direção Federal de Prisões não ter atribuído um companheiro de cela a Epstein depois de este ter tentado suicidar-se um mês antes da sua morte.

Além disso, o magnata tinha ao seu dispor uma "quantidade excessiva" de lençóis, que acabou por usar para se enforcar, de acordo com o documento.

O relatório foi elaborado pelo inspetor-geral do Departamento de Justiça, Michael Horowitz, responsável por supervisionar de forma independente casos relacionados com a Direção Federal de Prisões.

Epstein foi acusado em 2006 de abusar sexualmente de menores de 14 anos e declarou-se culpado e 2008 de pedir e contratar uma menor para prostituição.

Passou algum tempo numa prisão do Estado norte-americano da Florida e registou-se como criminoso sexual.

Depois de o diário Miami Herald ter noticiado que existiam muitas mais meninas e mulheres que tinham sido vítimas de abusos de Epstein, este foi detido, em julho de 2019, por vários crimes federais de tráfico sexual.

Um mês após a sua detenção, em agosto de 2019, Epstein suicidou-se numa prisão de Nova Iorque.

Leia Também: JPMorgan fecha acordo com vítimas de Epstein em caso de tráfico sexual

Recomendados para si

;
Campo obrigatório