Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2022
Tempo
MIN 8º MÁX 12º

China "fará tudo o possível para prestar apoio" a Cuba

O presidente chinês, Xi Jinping, afirmou hoje que a China "fará tudo o possível para prestar apoio" a Cuba, que "enfrenta grandes desafios", durante um encontro, em Pequim, com o homólogo cubano, Miguel Díaz-Canel.

China "fará tudo o possível para prestar apoio" a Cuba
Notícias ao Minuto

07:54 - 25/11/22 por Lusa

Mundo Presidente chinês

Xi garantiu que, "independentemente da situação internacional", a China "não vai mudar" a política de "amizade" com Cuba ou a "vontade de trabalhar" com Havana para "proteger a justiça internacional e opor-se à hegemonia".

O líder chinês expressou a disposição de Pequim de "aprofundar a confiança política mútua e ampliar a cooperação prática" com Havana, observando que as relações bilaterais são um "caso exemplar de solidariedade e cooperação entre países socialistas e de apoio sincero entre países em desenvolvimento".

Díaz-Canel, que chegou esta madrugada à China para uma visita oficial de dois dias, mencionou a crise económica no país e indicou que conta com o "apoio de países amigos como a China", de acordo com uma mensagem difundida pelo seu gabinete, através da rede social Twitter.

O Presidente cubano transmitiu a Xi as "cordiais saudações do seu amigo General do Exército [de Cuba] Raúl Castro" e lembrou que Fidel Castro enalteceu a "capacidade e a firmeza" do atual líder chinês, justamente no dia em que se completa o sexto aniversário da morte do líder da revolução cubana.

O governante também garantiu que valoriza de forma "muito positiva" as "contribuições teóricas e práticas para a construção do socialismo" de Xi Jinping, que é também secretário-geral do Partido Comunista Chinês, partido único de poder no país asiático.

Após o encontro, foram assinados 12 documentos, entre os quais um plano de concertação entre os ministérios dos Negócios Estrangeiros dos dois países, um memorando de entendimento para a promoção da iniciativa chinesa 'Faixa e Rota', um gigantesco projeto internacional de infraestruturas, e um memorando para o "fortalecimento da cooperação económica e comercial" entre as duas nações.

Díaz-Canel aterrou na China oriundo da Turquia, na última paragem de um périplo internacional, que incluiu também visitas à Argélia e Rússia, num altura em que Cuba enfrenta uma grave crise económica.

Cuba foi, em 1960, o primeiro país latino-americano a estabelecer relações diplomáticas com a República Popular da China, fundada em 1949. Pequim tem tradicionalmente apoiado Havana em fóruns internacionais como as Nações Unidas, nos quais pediu o levantamento do embargo norte-americano.

A deslocação à China do Presidente cubano e da sua comitiva ocorre num 'circuito fechado', no qual os visitantes não têm contacto com o mundo exterior, em cumprimento com as medidas altamente restritivas de prevenção epidémica vigentes na China.

Leia Também: Presidente cubano em Pequim para reunir com homólogo e assinar acordos

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório