Meteorologia

  • 25 JUNHO 2022
Tempo
18º
MIN 16º MÁX 23º

Deputados de Israel aprovam 1ª moção com vista à dissolução do parlamento

Os deputados israelitas aprovaram hoje a primeira moção com vista à dissolução do parlamento, abrindo caminho para, após três votações, o país poder realizar as quintas eleições legislativas em três anos. 

Deputados de Israel aprovam 1ª moção com vista à dissolução do parlamento
Notícias ao Minuto

13:59 - 22/06/22 por Lusa

Mundo Israel

A moção de hoje foi o primeiro passo daquela série de votações a realizar antes da dissolução do parlamento e ocorreu dois dias depois de o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, ter anunciado o fim da coligação no poder.

A aliança governamental é constituída por oito partidos políticos, está no poder desde 2021, e integra partidos comprometidos com uma solução de dois Estados em relação aos palestinianos, mas também ultranacionalistas que se opõem a um Estado da Palestina e o primeiro partido árabe a apoiar um governo israelita.

A coligação - que derrubou o líder da direita israelita Benjamin Netanyahu após 12 anos no poder - foi afetada por lutas internas e deserções durante os últimos meses.

As propostas para dissolver o parlamento foram aprovada pela maioria dos 120 membros do Knesset (parlamento israelita), mas ainda é necessária a votação final - em pelo menos uma das moções - para a dissolução formal e que pode ocorrer eventualmente na próxima semana.

Assim que a moção for aprovada, Bennett deixa o cargo de primeiro-ministro entregando o poder ao aliado de coligação, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Yair Lapid, até às novas eleições, que podem vir a ser agendadas para outubro.

Bennett e Lapid formaram a aliança em oposição a Netanyahu, após quatro eleições inconclusivas.

Até ao ano passado, o Knesset encontrava-se dividido entre os deputados que apoiavam o governo liderado por Netanyahu e aqueles que se recusaram a unir forças com o líder do Likud devido às acusações de corrupção.

Netanyahu começou a ser julgado em maio de 2020 por "suborno", "fraude" e "abuso de confiança" em três casos de corrupção, acusações que rejeita e que atribui a "perseguição política". 

Sondagens publicadas na terça-feira indicam que o partido Likud de Netanyahu vai continuar a ser o mais votado, mas que continua em aberto a possibilidade de criação de uma nova coligação contra o antigo chefe de governo.

Leia Também: Palestiniano morto por colono israelita na Cisjordânia ocupada

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório