Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2022
Tempo
17º
MIN 9º MÁX 17º

Sociais-democratas da Suécia decidem domingo sobre eventual adesão à NATO

Os sociais-democratas suecos, atualmente no poder na Suécia, irão decidir no próximo domingo se vão apoiar a candidatura do país à NATO, afirmou uma fonte partidária à agência de notícias France-Presse (AFP).

Sociais-democratas da Suécia decidem domingo sobre eventual adesão à NATO
Notícias ao Minuto

11:05 - 09/05/22 por Lusa

Mundo Ucrânia

"O partido anunciará a sua posição em 15 de maio", declarou Julia Grabe, porta-voz dos sociais-democratas, à AFP.

O apoio à adesão pelo Partido Social-Democrata sueco, o maior partido do país, seria histórica e representaria uma reviravolta da linha política da força partidária e da primeira-ministra sueca (e líder do partido), Magdalena Andersson.

Tal decisão abriria o caminho para a adesão sueca à NATO, segundo os analistas.

Com o eventual apoio dos deputados sociais-democratas passaria a existir uma larga maioria no parlamento sueco a favor da candidatura do país à Aliança Atlântica, que pode ser reforçada no caso de formalização da candidatura da vizinha Finlândia, prevista para os próximos dias.

A Suécia e a Finlândia têm estado fora de alianças militares há décadas.

Os sociais-democratas suecos têm sido, desde a criação da Aliança Atlântica em 1949, a principal força política de oposição à adesão, uma linha ainda reafirmada no último congresso do partido em novembro.

Entretanto, a opinião pública sueca e muitos líderes políticos estão agora a favor da adesão, devido à preocupação causada pela ofensiva russa em curso na Ucrânia.

O Governo sueco e os partidos representados no parlamento devem apresentar na sexta-feira uma nova revisão estratégica destinada a esclarecer a escolha sobre a NATO.

Por sua vez, o Presidente finlandês, Sauli Niinistö, deve apresentar a sua posição pessoal sobre uma candidatura na quinta-feira, enquanto a posição dos sociais-democratas finlandeses, também no poder, é esperada para sábado.

Oficialmente neutras durante a Guerra Fria, a Suécia e a Finlândia permaneceram fora da NATO após a queda da União Soviética (URSS), mas têm mantido alguma proximidade com a Aliança Atlântica desde a década de 1990.

Os dois países são membros da "Parceria para a Paz" da NATO e participam regularmente em exercícios militares conjuntos.

O secretário-geral da NATO, o norueguês Jens Stoltenberg, disse que os dois países são as duas nações não-membros mais próximas da Aliança e que seriam recebidos "de braços abertos" se apresentassem as suas candidaturas.

A Rússia alertou várias vezes nas últimas semanas contra as "consequências políticas e militares" de uma candidatura finlandesa e sueca à NATO.

A Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro e a ofensiva militar provocou já a morte de mais de três mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A ofensiva militar causou a fuga de mais de 13 milhões de pessoas, das quais mais de 5,5 milhões para fora do país, de acordo com os mais recentes dados da ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Leia Também: NATO aponta maior presença em redor da Suécia caso candidatura avance

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório