Meteorologia

  • 30 JUNHO 2022
Tempo
24º
MIN 15º MÁX 24º

Um erro de design está a 'decapitar' os tanques russos na Ucrânia

Ao contrário dos tanques ocidentais, os tanques russos carregam automaticamente projéteis nas suas torres.

Um erro de design está a 'decapitar' os tanques russos na Ucrânia
Notícias ao Minuto

17:52 - 04/05/22 por Notícias ao Minuto

Mundo Ucrânia/Rússia

Desde que a guerra na Ucrânia começou, são inúmeras as fotografias que nos chegam de tanques russo destruídos e abandonados. Uma das principais razões para o elevado número de viaturas miliares nestas condições é uma falha de design na armadura. Os países ocidentais já terão feito esta alteração, mas a Rússia não.

De acordo com peritos em tecnologia militar, consultados pela CNN, o ponto fraco dos tanques russos é que transportam vários projéteis na sua torre, onde viajam a maioria dos membros da tripulação. Especificamente, até 40 cartuchos são armazenados sob a "cabeça" do veículo e são carregados automaticamente.

Isto torna-os muito vulneráveis, uma vez que qualquer pancada pode gerar um efeito dominó que pode explodir toda a reserva de munições e 'decapitar' o tanque.

"O que estamos a ver com tanques russos é uma falha de design", diz Sam Bendett, conselheiro do Programa de Estudos Russos no Centro de Análises Navais (CNA) e membro do Centro para uma Nova Segurança Americana. "Qualquer golpe bem sucedido acende rapidamente a munição, causando uma explosão maciça, e a torre voa literalmente", acrescenta.

A falha de conceção é particularmente grave porque, para além das perdas materiais, pode causar baixas à tripulação. "A tripulação do tanque, normalmente constituída por dois homens na torre e um terceiro ao volante, são alvos fáceis", diz Nicholas Drummond, um analista da indústria de armamento especializado em guerra terrestre e ex-oficial do exército britânico. "Se não saíres no primeiro segundo, estás tramado", reforça.

Erro conhecido desde a Guerra do Golfo

A falha de design que transforma os tanques russos em "caixões em movimento" - nas palavras de Drummond - chamou a atenção dos serviços secretos ocidentais durante a Guerra do Golfo, quando um grande número de tanques T-72 de fabrico russo utilizados pelo exército iraquiano foram vistos a serem explodidos ao menor toque de um míssil antitanque.

Ainda segundo a CNN, a Rússia não aprendeu com os erros. A série T-90, o sucessor da T-72, melhorou a blindagem, mas o sistema de carregamento foi o mesmo que o da sua antecessora. O T-80, o tanque russo que tem estado no centro da invasão da Ucrânia, tem a mesma tecnologia.

Leia Também: Londres proíbe prestar serviços de contabilidade e consultoria à Rússia

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório