Meteorologia

  • 31 JANEIRO 2023
Tempo
12º
MIN 4º MÁX 14º

Marrocos e Nigéria entregam estudos do gasoduto a empresa australiana

Marrocos e a Nigéria adjudicaram à empresa australiana WorleyParsons o contrato para os estudos técnicos preliminares do gasoduto que unirá ambos por mar, passando por outros 11 países de África Ocidental e estendendo-se à Europa, anunciou a companhia.

Marrocos e Nigéria entregam estudos do gasoduto a empresa australiana
Notícias ao Minuto

12:52 - 27/04/22 por Lusa

Mundo Gasoduto

Em comunicado, a empresa de engenharia disse que ficará encarregue da fase II dos estudos técnicos preliminares relacionados com este gasoduto de quase 7.000 quilómetros de comprimento, que atravessará 13 países, incluindo a Guiné-Bissau, e que mobilizará um orçamento de entre 25.000 e 50.000 milhões de dólares (23.000 e 47.000 milhões de euros).

O gasoduto "ajudará a promover indústrias e economias locais mediante uma energia segura e sustentável. (...) Também oferecerá uma nova via para que os países ao longo da rota possam exportar o seu gás para os países vizinhos e a Europa", indica a nota.

Os estudos de engenharia na parte marítima serão realizados pela filial da empresa nos Países Baixos, Itecsea BV.

Os relacionados com o impacto social e ambiental do megaprojeto e a aquisição do terreno serão realizados pela de Londres, explica a empresa australiana, acrescentando que as filiais em África e na Índia irão assessorar a operação.

Quanto aos estudos relacionados com a parte do gasoduto que percorre terra, as filiais da WorleyParsons no Reino Unido e em Espanha vão definir o potencial do uso de energias renováveis para alimentá-lo, para reduzir o uso de carvão.

A consultora da empresa, Advisian, explorará a aceleração da eletrificação e a viabilidade da autossuficiência energética na região.

Este projeto foi lançado em dezembro de 2016 durante uma visita oficial do rei Mohamed VI à Nigéria e será uma extensão do gasoduto existente entre a Nigéria, o Benim, o Togo e o Gana, devendo agora alargar-se à Costa do Marfim, Libéria, Serra Leoa, Guiné-Conacri, Guiné-Bissau, Gâmbia, Senegal, Mauritânia, Marrocos e Espanha.

Leia Também: República Checa critica Rússia e defende redução da dependência do gás

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório