Meteorologia

  • 26 MAIO 2022
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 32º

Companhias aéreas pedem reposição de voos entre Portugal e Venezuela

A Associação de Companhias Aéreas da Venezuela (ALAV) pediu hoje às autoridades do país que permitam a realização de voos para Portugal e outros destinos, restringidos desde o início da pandemia de covid-19.

Companhias aéreas pedem reposição de voos entre Portugal e Venezuela
Notícias ao Minuto

21:40 - 28/01/22 por Lusa

Mundo Covid-19

"Queremos que se retomem os voos para Portugal (...)  porque o mundo está normalizar-se e estamos a ficar um pouco para trás", disse o presidente da ALAV, Humberto Figuera, aos jornalistas.

Figuera congratulou-se com a decisão recente do Instituto Nacional de Aeronáutica Civil da Venezuela (INAC) de autorizar voos regulares entre a Venezuela e a Espanha, mas insistiu que "devem normalizar-se todas as frequências e destinos, como têm feito quase todos os países do mundo".

"Entendemos e aceitamos que há que conviver com o coronavírus, mas a propagação não se dá através das companhias aéreas nem dos voos. Todos os países tomaram medidas muito sãs, como exigir a vacinação, testes PCR antes da viagem e alguns países, como a Venezuela, estabeleceram ainda a obrigatoriedade de fazer um teste PCR à chegada", explicou o presidente da ALAV.

Humberto Figuera insistiu que é importante "abrir o destino Venezuela" a "todas as companhias aéreas que se retiraram devido à pandemia e por outros motivos".

"O transporte aéreo é sinónimo de progresso, de economia fortalecida" sublinhou.

Em 24 de janeiro a Venezuela atualizou as restrições às ligações aéreas comerciais de passageiros, para permitir "de maneira excecional" a realização de voos regulares para Espanha, mas continuando a restringir os voos para Portugal.

"De maneira excecional, unicamente estão autorizadas as operações comerciais aéreas para o transporte de passageiros entre a República Bolivariana da Venezuela e os países da Turquia, México, Panamá, República Dominicana, Bolívia, Rússia, Cuba e Espanha", refere um comunicado divulgado pelo Instituto de Aeronáutica Civil (INAC) venezuelano.

Fontes diplomáticas disseram à Agência Lusa que a Venezuela mantém as restrições às operações aéreas entre Lisboa e Caracas e que "apesar de ter chegado a haver a convicção de que poderia haver alguma flexibilização, não há novidade nesse sentido".

Em 12 de dezembro, o embaixador de Portugal em Caracas, Carlos de Sousa Amaro, queixou-se que a Venezuela não tem respondido aos pedidos de autorização para que a TAP realize voos humanitários entre Caracas e Lisboa, apesar de ter autorizado outras companhias.

"Nós, a TAP e a nossa embaixada em nome da TAP, fizemos um pedido para dois voos humanitários em dezembro e dois voos humanitários em janeiro (...) Infelizmente as autoridades venezuelanas ainda não nos deram resposta, não obstante as insistências e os pedidos que temos feito", disse à Lusa Carlos de Sousa Amaro.

Agências de viagem consultadas pela Lusa explicaram que a comunidade lusa local tem perguntado frequentemente pela retoma dos voos diretos para Portugal e que não entendem o motivo pelo qual a TAP não recebe autorização, quando várias companhias aéreas foram autorizadas a fazer voos, nomeadamente entre Caracas e Madrid.

Em 2020, Portugal repatriou mais de 1.200 portugueses, em cinco voos, três deles realizados pela TAP.

A Venezuela está desde 13 de março de 2020 em estado de alerta, o que permite ao executivo decretar "decisões drásticas" para combater a pandemia.

Na Venezuela estão oficialmente confirmados 477.022 casos de covid-19. Há ainda 5.425 mortes associadas ao novo coronavírus, desde o início da pandemia.

A covid-19 provocou mais de 5,63 milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China.

A nova variante Ómicron, classificada como preocupante e muito contagiosa pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral e, desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta em novembro, tornou-se dominante em vários países, incluindo em Portugal.

Leia Também: Venezuela autoriza voos regulares para Espanha mas não para Portugal

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório