Meteorologia

  • 15 AGOSTO 2022
Tempo
19º
MIN 18º MÁX 27º

Rússia vai estudar respostas que recebeu por escrito às suas pretensões

A Federação Russa vai estudar as respostas que recebeu por escrito, na quarta-feira, dos EUA e da União Europeia (UE) às suas propostas de garantia de segurança, disse o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros, Alexandr Grushko.

Rússia vai estudar respostas que recebeu por escrito às suas pretensões
Notícias ao Minuto

07:08 - 27/01/22 por Lusa

Mundo Tensão

"Vamos lê-las. Vamos estudá-las. [Os EUA e a UE] estudaram as nossas propostas durante quase mês e meio", disse Grushko à agência noticiosa Interfax, em resposta à pergunta sobre quando é que Moscovo tenciona responder às posições de norte-americanos e europeus.

A Federação Russa recebeu na quarta-feira as respostas por escrito à sua proposta de tratado com os EUA e de acordo com a NATO, que apresentou em 17 de dezembro a estes interlocutores, para criar outro modelo de segurança na Europa.

As garantias de segurança exigidas pela Federação Russa incluem o fim da expansão da NATO para leste, em particular para a Ucrânia e a Geórgia, o fim de toda a cooperação militar com as antigas repúblicas soviéticas e a retirada de tropas e armamento da NATO para as posições que ocupava antes de 1997.

Grusko recebeu na quarta-feira da mão do embaixador dos EUA na Federação Russa, John Sullivan, a resposta dos EUA, ao passo que a da NATO foi entregue ao embaixador russo na Bélgica, Alexandr Tokovinin.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, já disse que não vai haver renúncia à política de "portas abertas" da NATO e reiterou que Washington está disposto a falar com Moscovo sobre o controlo de armas ou a transparência nos exercícios militares, tal como tem reiterado nas últimas semanas em várias ocasiões públicas.

Horas antes de receber as respostas, por escrito, de Washington e da NATO, o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, disse que a Federação Russa esperava uma resposta "construtiva" às suas exigências.

"Se não houver uma resposta construtiva e o Ocidente continuar o seu 'curso agressivo', tal como disse o presidente (Vladimir Putin), tomaremos as respetivas medidas de resposta", avisou.

Os dirigentes russos já fizeram saber que tomarão as medidas "técnico-militares necessárias", no caso de uma negativa do Ocidente, para abordar a segurança na Europa com ênfase nas pretensões russas.

Moscovo acompanhou as suas exigências com uma pressão importante sobre os EUA e UE, ao destacar mais de cem mil soldados para a fronteira com a Ucrânia, o que leva o Ocidente a admitir que Putin possa planear um ataque até meados de fevereiro, disse hoje a secretária de Estado norte-americana, Wendy Sherman.

Leia Também: Ucrânia: EUA pedem a norte-americanos residentes que abandonem o país

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório