Meteorologia

  • 17 MAIO 2022
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 24º

Congresso. Baixa popularidade de Biden deixa em perigo controlo democrata

Um ano depois da posse como presidente dos Estados Unidos, Joe Biden tem a segunda taxa de aprovação mais baixa da história do país e o partido republicano terá vantagem nas eleições intercalares que decidirão o controlo do Congresso. 

Congresso. Baixa popularidade de Biden deixa em perigo controlo democrata
Notícias ao Minuto

08:14 - 20/01/22 por Lusa

Mundo EUA

Em causa, a 08 de novembro, estará o controlo da Câmara dos Representantes, que tem 435 assentos a votos, e o domínio do Senado, onde haverá 34 lugares em disputa. 

Atualmente, os democratas dispõem de uma maioria de apenas 9 lugares na Câmara dos Representantes e o Senado está dividido 50-50, sendo que a vice-presidente Kamala Harris serve como desempate em favor do seu partido. 

O consenso entre os analistas é que será difícil para os democratas manterem a maioria na Câmara dos Representantes e no Senado, embora haja maior imprevisibilidade na câmara alta. 

Há vários fatores que contribuem para uma análise favorável às hipóteses que os republicanos têm de voltar a controlar uma -- ou mesmo as duas -- câmaras do Congresso. 

Um deles é a impopularidade de Joe Biden, que em média tem 42,4% de aprovação e 52,2% de desaprovação, segundo as contas da plataforma agregadora FiveThirtyEight. Algumas sondagens são ainda mais negativas, como a mais recente da Quinnipiac University, que dá ao presidente uma aprovação de apenas 33%. Só Donald Trump era ainda mais impopular ao final do seu primeiro ano de mandato (média de 39%). 

Já em novembro de 2021, os democratas foram surpreendidos por derrotas em eleições locais e estaduais, com destaque para o desaire na corrida ao governo da Virginia. Os analistas políticos atribuíram o fraco desempenho, em parte, à fadiga com as restrições ligadas à covid-19 e à inflação galopante. 

Todavia, uma análise FiveThirtyEight mostra que, em 2021, as eleições especiais para a Câmara dos Representantes -- que acontecem sempre que há uma vaga inesperada -- não indicaram mudanças que façam antecipar uma grande 'onda vermelha' (republicana) em novembro. 

No Senado, a CNN projeta que pelo menos oito estados tenham eleições competitivas, com margens apertadas e possibilidade de vitória para ambos os lados.

A vantagem dos republicanos é que não precisam de conquistar muitos lugares para virarem o controlo das duas câmaras. Além disso, o redesenho dos distritos beneficia o partido conservador, o que significa que não será necessária uma grande onda para que voltem a controlar o Congresso. 

Se tal acontecer, os republicanos poderão colocar um travão imediato nas prioridades e na agenda legislativa de Joe Biden, assumindo também o controlo dos comités e podendo suspender de imediato as investigações em curso, tal como a que investiga o assalto ao Capitólio a 6 de janeiro de 2021, se esta ainda estiver a decorrer nessa altura. 

Aliada ao facto de o partido no poder tradicionalmente perder as eleições intercalares, mesmo que o presidente seja mais popular do que Biden é neste momento, a baixa taxa de aprovação indicia um mau resultado para os democratas. 

Isso ainda não é possível ver de forma clara nas sondagens, uma vez que os dados que têm sido publicados são genéricos e oscilam entre os dois partidos. Por exemplo, a sondagem da Quinnipiac dá 44% aos republicanos e 43% aos democratas, mas a da Morning Consult atribui 44% das intenções de voto aos democratas e 41% aos republicanos. 

Ainda assim, os republicanos têm uma vantagem média de 0,6 pontos percentuais, com 42,4% dos eleitores a dizerem que pretendem votar em candidatos republicanos nas intercalares contra 41,8% de intenções de voto nos democratas. 

Muitas vezes estas eleições são vistas como um referendo ao presidente, algo que os democratas não querem que aconteça, dada a baixa popularidade de Joe Biden.

As sondagens não se referem a candidatos específicos, mas o histórico indica que as intenções de voto no partido do presidente tendem a deteriorar-se à medida que as intercalares se aproximam. 

Leia Também: Biden desapontado com fracasso da lei de proteção de voto no Senado

Notícias ao Minuto nomeado para os Prémios Marketeer

O Notícias ao Minuto é um dos nomeados da edição de 2022 dos Prémios Marketeer, na categoria de Digital Media. As votações decorrem até ao próximo dia 31 de maio.

Para nos ajudar a vencer, basta aceder ao site da iniciativa organizada pela revista Marketeer, clicando aqui, e proceder ao preenchimento do formulário, selecionando Notícias ao Minuto na categoria de Digital Media e formalizando depois a votação. Obrigada pela sua preferência!

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório