Meteorologia

  • 16 JANEIRO 2022
Tempo
11º
MIN 7º MÁX 16º

Edição

Confrontos entre tribos no Darfur fazem pelo menos 48 mortos

Pelo menos 48 pessoas foram mortas num novo conflito entre tribos no Sudão, anunciou hoje um grupo de médicos e o governador do Darfur Ocidental, que relataram o segundo incidente do género em três semanas.

Confrontos entre tribos no Darfur fazem pelo menos 48 mortos
Notícias ao Minuto

19:47 - 06/12/21 por Lusa

Mundo Sudão

"A violência começou com uma disputa e escalou acabando por matar seis pessoas no sábado, e depois no domingo mais de 40 pessoas foram mortas", disse o governador, Khamis Abdallah, em declarações à agência France-Presse.

O sindicatos dos médicos, uma organização pró-democracia, relatou "48 pessoas mortas por balas" na região de Krink, afetada por um conflito entre povos árabes e africanos, cuja intensidade obrigou o Governo a despachar militares para esta zona.

"Os confrontos de domingo duraram sem interrupção desde as cinco da manhã até às quatro da tarde", acrescentou o governador Abdallah.

Já em 17 de novembro, confrontos entre pastores acusados de terem roubado camelos tinham provocado 50 mortes e a queima de 594 casas, de acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), que sublinhou também que mais de 6.600 sudaneses tinham sido obrigados a fugir, um terço dos quais para o vizinho Chade.

A notícia de mais quase meia centena de mortes aconteceu no mesmo dia em que as Nações Unidas divulgaram um relatório segundo o qual 30% dos sudaneses vão precisar de ajuda humanitária em 2022, a "taxa mais alta numa década" no país, um dos mais pobres do mundo.

No total, 14,3 milhões dos 47,9 milhões de sudaneses e refugiados no Sudão -- 57% dos quais mulheres e 55% crianças - precisarão de assistência humanitária, referiu a hoje o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA, na sigla inglesa). "Isto é mais 800.000 pessoas do que em 2021", acrescentou a ONU.

Entre estas pessoas vulneráveis encontram-se 2,9 milhões de deslocados, num país devastado por conflitos sangrentos durante décadas, especialmente em Darfur, uma vasta região ocidental, onde uma guerra entre os rebeldes e o regime, que começou em 2003, deixou pelo menos 300.000 mortos e 2,5 milhões de deslocados, principalmente nos primeiros anos, segundo a ONU.

Além disso, o Sudão acolhe cerca de 1,2 milhões de refugiados e requerentes de asilo, 68% dos quais vêm do vizinho Sudão do Sul, depois da sua separação em 2011.

O Sudão saiu, em 2019, de 30 anos da ditadura militar de Omar al-Bashir, sob pressão dos protestos de rua, está mergulhado hoje na estagnação política e económica.

O país tem falta de infraestruturas há décadas, tem lutado para aproveitar ao máximo os seus milhões de hectares de terra agrícola e tem perdido o petróleo no seu subsolo com a secessão do Sudão do Sul.

Após o golpe militar em 25 de outubro deste ano, o país está mergulhado numa crise política.

Leia Também: Um terço dos sudaneses vão necessitar de ajuda humanitária em 2022

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório