Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

HRW denuncia falta de justiça para vítimas de repressão na Nigéria

A ONG internacional Human Rights Watch (HRW) refere, num relatório divulgado hoje, que as vítimas da violência policial na Nigéria continuam à espera de justiça, um ano após a sangrenta repressão do exército e da polícia contra manifestantes, numa grande ação de protesto no país.

HRW denuncia falta de justiça para vítimas de repressão na Nigéria
Notícias ao Minuto

10:56 - 19/10/21 por Lusa

Mundo Nigéria

"As autoridades nigerianas devem tomar medidas concretas e decisivas para assegurar que os responsáveis pelos abusos cometidos contra os manifestantes sejam processados", defende aquela organização de direitos humanos.

No ano passado, o movimento #EndSARS levou a cabo ações de protesto contra a violência policial da unidade especial da polícia, acusada, ao longo dos anos, de extorsão, tortura e até homicídio de pessoas, abalou as principais cidades do país mais populoso do sul de África.

As manifestações terminaram quando a polícia abriu fogo, no dia 20 de outubro, na praça de pedágio Lekki, em Lagos, capital da Nigéria, o emblemático local de reunião dos manifestantes, causando a morte de pelo menos dez manifestantes desarmados e desencadeando uma onda de indignação internacional.

O exército disse, numa comissão de inquérito criada para averiguar o caso, que tinha utilizado apenas balas vazias, mas admitiu que os seus militares também tinham munições reais.

No relatório publicado hoje, a HRW afirma ter entrevistado 54 pessoas, incluindo vítimas e famílias, manifestantes, membros da sociedade civil, médicos e jornalistas.

Segundo aquelas testemunhas, o exército usou uma tática para "apanhar" os manifestantes, reunindo-os num local específico, antes de "disparar para o ar e para a multidão", escreve a ONG.

"Quando os soldados partiram, a polícia chegou e, segundo muitas testemunhas, abriu fogo sobre os manifestantes que não puderam fugir", acrescenta a HRW no relatório.

A HRW não conseguiu definir um número definitivo de mortos, mas as testemunhas disseram aos investigadores que viram "pelo menos 15 corpos sem vida e que os oficiais do exército levaram pelo menos 11 deles".

Três pessoas também tiveram de ser amputadas por ferimentos de bala em Lekki, disse um médico à HRW.

Nem a polícia, nem os porta-vozes do exército, contactados pela agência de notícias francesa AFP, comentaram estas acusações.

A comissão de inquérito, criada para investigar a repressão da Lekki e os abusos da Sars, deverá concluir o seu trabalho hoje.

O painel judicial não tem poder de decisão, mas pode fazer recomendações ao governo, que podem ser implementadas pelo Supremo Tribunal Federal, recordou a HRW.

Leia Também: Sobe para 43 número de mortos em novo ataque a um mercado na Nigéria

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório