Meteorologia

  • 03 DEZEMBRO 2021
Tempo
13º
MIN 8º MÁX 16º

Edição

Pelo menos 4,69 milhões morreram e mais de 229 milhões foram infetados

A pandemia do novo coronavírus já causou pelo menos 4.696.559 mortos no mundo desde que o SARS-CoV-2 foi identificado em dezembro de 2019 na China, segundo um balanço da AFP até às 10:00 TMG (11:00 em Lisboa) de hoje.

Pelo menos 4,69 milhões morreram e mais de 229 milhões foram infetados
Notícias ao Minuto

12:19 - 21/09/21 por Lusa

Mundo Covid-19

Mais de 229.008.620 casos de infeção foram diagnosticados no mundo no mesmo período, indicou a agência France-Presse, adiantando que a grande maioria dos doentes recupera, mas uma parte ainda mal avaliada continua com sintomas durante semanas ou até meses.

Nas últimas 24 horas foram registados 7.405 mortos e 525.458 casos em todo o mundo. Os países com maior número de mortos foram os Estados Unido com 2.296, a Rússia (812) e o Irão (344).

Os Estados Unidos são o país mais afetado em termos de mortes e casos, com 676.092 mortes em 42.290.027 casos, de acordo com a contagem realizada pela Universidade Johns Hopkins.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil, com 590.955 mortos e 21.247.667 infetados, a Índia, com 445.385 mortos (33.504.534 casos), o México, com 271.765 óbitos (3.573.044 casos) e a Rússia, com 199.808 óbitos (7.313.851 infetados).

Entre os países mais atingidos, o Peru é o que apresenta o maior número de mortes em relação à sua população, com 604 mortes por cada 100.000 habitantes, seguido da Bósnia (314), da Hungria (312), da Macedónia do Norte (311), do Montenegro (296) e da Bulgária (288).

A América Latina e as Caraíbas totalizavam hoje, às 10:00 TMG, 1.474.050 mortes em 44.461.562 casos, a Europa, 1.290.387 mortes (66.258.484 casos), a Ásia 825.664 mortes (52.982.821 casos), os Estados Unidos e Canadá 703.491 mortos (43.864.894 infetados), a África 206.362 mortes (8.175.186 infetados), o Médio Oriente 194.624 mortos (13.105.836 casos) e a Oceânia 1.981 mortes (159.841 casos).

Os números da AFP baseiam-se em balanços diários das autoridades de saúde de cada país e em informações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e excluem as revisões posteriores de determinados organismos estatísticos, que indicam um número muito superior de óbitos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula, tendo em conta o excesso de mortalidade ligada direta e indiretamente à covid-19, que o balanço da pandemia poderá ser duas a três vezes superior ao registado oficialmente.

Além disso, uma proporção significativa dos casos menos graves ou assintomáticos não são detetados, apesar da intensificação dos rastreamentos em muitos países.

Leia Também: AO MINUTO: Delta mantém domínio absoluto; Japão inocula 3ª dose em 2022

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório