Meteorologia

  • 17 SETEMBRO 2021
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

Vice-PR do Brasil descarta rutura apesar da "retórica forte" de Bolsonaro

O vice-presidente do Brasil, general Hamilton Mourão, descartou hoje a possibilidade de rutura institucional ou de um golpe de Estado no maior país da América Latina apesar da "retórica forte" do mandatário, Jair Bolsonaro.

Vice-PR do Brasil descarta rutura apesar da "retórica forte" de Bolsonaro
Notícias ao Minuto

00:02 - 14/09/21 por Lusa

Mundo Brasil

"Não há espaço para uma rutura no século XXI. Não podemos olhar o que aconteceu no século XX e transferi-lo para a atualidade. Existe uma retórica forte por parte do nosso Governo? Existe. Mas não há ações que correspondem a essa retórica", disse Mourão numa entrevista que concedeu à Rádio Gaúcha, ao ser questionado sobre se Bolsonaro estaria a pressionar por um golpe no Brasil.

O vice-presidente falou sobre a crise institucional que afeta o país seis dias após Bolsonaro, em manifestações perante milhares de seguidores, ter incentivado à desobediência de ordens do Supremo Tribunal Federal ou a decisões do Parlamento contrárias aos seus interesses.

O líder da extrema-direita brasileira conduziu os protestos massivos do 07 de setembro, dia em que os seus apoiantes saíram às ruas em defesa da dissolução do Supremo Tribunal Federal e do Parlamento através de uma "intervenção militar" com Bolsonaro no poder.

Um dia depois, grupos de camionistas que apoiam Bolsonaro bloquearam estradas em vários estados do país e exigiram a destituição dos juízes do Supremo.

"Não há espaço para uma rutura. Isso tem que ficar muito claro. Não existem ações que correspondam a essa retórica. Considero isso mais como uma retórica forte do nosso Governo do que ações que possam levar a uma rutura", insistiu Mourão, que nos últimos meses se distanciou do chefe de Estado e tem sido menos radical.

Mourão disse que Bolsonaro poderia ser mais cuidadoso com as suas declarações porque os seus ataques costumam gerar crises que prejudicam o país.

"Considero que muitas coisas podem ser ditas de forma mais polida, sem ultrapassar os limites éticos. O Governo faz muitas coisas que acabam não aparecendo por causa dessa retórica forte, por deitar uma cortina de fumaça sobre as suas ações positivas", argumentou.

"As nossas instituições são fortes, a democracia brasileira é forte, e isso não vai mudar por causa de alguns discursos de um lado ou do outro", acrescentou o vice-presidente.

A crise institucional no Brasil foi ligeiramente reduzida na quinta-feira quando o próprio Bolsonaro, após alimentar um conflito com os outros poderes durante várias semanas, divulgou uma "declaração à nação" na qual afirmou que não teve "intenção de agredir" o Supremo Tribunal ou o Congresso.

O Presidente reconheceu que "o país está dividido entre as instituições", mas defendeu que "a harmonia (entre os poderes) é uma vontade constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar".

Na sequência dos ataques a outras potências, vários setores, incluindo magistrados do Supremo Tribunal, alegaram que o chefe de Estado tinha cometido os chamados "crimes de responsabilidade", que justificam a abertura de um processo de destituição no Congresso, o que levou Bolsonaro a recuar.

Segundo Mourão, a "declaração à nação" de Bolsonaro ajudou a reduzir as tensões no Brasil.

"É conversando que nos entendemos. Se todos nos colocarmos em lados opostos de uma rua e agirmos como cães bravos, não há diálogo. Temos que atravessar a rua", disse o general.

Leia Também: Bolsonaro diz que "minoria" que protestou contra Governo é "digna de dó"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório