Meteorologia

  • 18 SETEMBRO 2021
Tempo
18º
MIN 17º MÁX 24º

Edição

Myanmar: Junta militar detém ex-chefe da vacinação contra a covid-19

A junta militar de Myanmar, antiga Birmânia, anunciou a detenção de Htar Htar Lin, diretora do programa de vacinação contra a covid-19 até ao golpe de Estado de 01 de fevereiro, noticia hoje a imprensa oficial.

Myanmar: Junta militar detém ex-chefe da vacinação contra a covid-19
Notícias ao Minuto

10:25 - 13/06/21 por Lusa

Mundo Covid-19

A médica birmanesa é acusada de abandonar as suas funções para se unir ao Movimento de Desobediência Civil que, com a sua greve por tempo indeterminado, pôs em xeque a junta militar, e de estar ligada ao Governo de Unidade Nacional (GUN), oposição, que o comando militar qualifica de "terrorista".

As autoridades prenderam Htar Htar Lin na quinta-feira, em Rangum, sob a acusação de "incitação à agitação pública", punível até três anos de prisão, escreveu hoje o jornal The Global New Light, de Myanmar, controlado pela junta militar.

Segundo os meios de comunicação social, a médica reconheceu que manteve contacto frequente com Zaw Wai Soe, o médico nomeado pelo GUN como ministro da Saúde e também perseguido pelos militares por escrever comunicados e discursos encorajadores a favor do movimento opositor e desenvolver programas sanitários para a dissidência política.

Por isso, também está acusada por associação com "grupos ilegais", crime que tem uma pena máxima de três anos de prisão.

Médicos e profissionais de saúde foram os primeiros a juntarem-se ao massivo Movimento de Desobediência Civil, depois os professores, funcionários e trabalhadores de múltiplos setores, que se recusam a trabalhar para a junta militar.

Com esta oposição, que paralisou desde fevereiro quase todos os hospitais públicos do país, os militares prenderam dezenas de trabalhadores da saúde.

Desde que os militares assumiram o poder, o país mergulhou num caos, enquanto médicos especialistas alertam para a possibilidade de existir um surto não detetado da pandemia, devido à desaceleração de testes e da campanha de vacinação.

Em 16 de abril, um grupo de políticos e ativistas que se opõem aos militares anunciou a formação do GUN, que procura restaurar o sistema democrático em Myanmar, com o apoio e o reconhecimento da comunidade internacional.

Desde o levantamento militar, que pôs fim a uma década de democracia no país, pelo menos 862 civis foram mortos na sequência da brutal repressão exercida pelas forças de segurança, segundo os números da Associação para a Assistência de Presos Políticos.

O exército birmanês justifica o golpe por uma suposta fraude eleitoral, nas eleições de novembro, que arrasou o partido liderado pela Prémio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, como já fizera em 2015, e foram considerados legítimos pelos observadores internacionais.

Leia Também: Escalada de violência é uma "catástrofe para os direitos humanos"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório