Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2021
Tempo
MIN 7º MÁX 12º

Edição

UNESCO apresenta projeto de reconstrução para Mossul na Bienal de Veneza

O projeto da UNESCO para a reconstrução de Mossul, no Iraque, vai ser apresentado na 17.ª Bienal de Arquitetura de Veneza, anunciou hoje a organização liderada por Audrey Azoulay.

UNESCO apresenta projeto de reconstrução para Mossul na Bienal de Veneza

A exposição sobre o projeto em curso vai ser apresentada pela Organização das Nações Unidas para a Ciência, Educação e Cultura (UNESCO, na sigla em inglês), pelo governo do Iraque e pelo ministério da Cultura e Juventude dos Emirados Árabes Unidos.

O projeto intitulado "Reviver o Espírito de Mossul" pretende restaurar os marcos multiculturais e "o modo de vida da histórica cidade iraquiana", lê-se no comunicado da UNESCO.

A mais recente edição da Exposição Internacional de Arquitetura da Bienal de Veneza vai estar aberta ao público de 22 de maio a 21 de novembro.

O projeto mostra, cronologicamente, a história mais recente da cidade e as projeções para o futuro, "em quatro salas dedicadas aos temas da destruição, liberdade, ação e futuro", explica a UNESCO, no comunicado.

A UNESCO vai auxiliar, nomeadamente, com a reconstrução do complexo da Mesquita Al-Nouri, cujo projeto vencedor do concurso de arquitetura foi anunciado a 15 de abril no Museu Nacional de Bagdade, no Iraque.

"Ao longo de milhares de anos, Mossul foi uma encruzilhada comercial, intelectual e cultural. O seu próprio nome, que em árabe significa ligação, junção, conector, contém a ideia de diálogo e diversidade", lembrou a UNESCO.

A organização internacional recordou ainda que quando Mossul foi ocupada por extremistas, em julho de 2014, cerca de 80% da paisagem urbana foi destruída, a música foi proibida e as livrarias e bibliotecas foram encerradas.

Edifícios históricos como a Mesquita Al-Nouri, o Minarete Al-Hadba e as igrejas de Al-Tahera e Al-Saa'a foram danificados.

"Reviver o Espírito de Mossul" foi lançado, em fevereiro de 2018, por Audrey Azoulay e o projeto, financiado pelos Emirados Árabes Unidos, terá o custo de 50 milhões de dólares.

Leia Também: Exposição irá analisar encontros sociais dentro das casas saudistas

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório