Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2021
Tempo
11º
MIN 11º MÁX 15º

Edição

Justiça britânica nega libertação a Julian Assange

O australiano, de 49 anos, irá manter-se na prisão londrina de Belmarsh.

Justiça britânica nega libertação a Julian Assange

Depois de ter rejeitado o pedido de extradição de Julian Assange para os Estados Unidos, onde seria julgado por vários crimes, incluindo espionagem, a justiça britânica rejeitou também o seu pedido de libertação.

A juíza Vanessa Baraitzer, que rejeitou na segunda-feira o pedido de extradição, alegando o risco de suicídio da sua parte, argumentou hoje que se a libertação lhe fosse concedida, Assange poderia não cumprir as suas obrigações legais.

A juíza do Tribunal Criminal de Old Bailey, em Londres, ordenou assim que Assange permanecesse na prisão enquanto os tribunais avaliam um recurso contra a decisão das autoridades britânicas de não permitir a extradição do fundador do WikiLeaks para os Estados Unidos.

Posto isto, o australiano, de 49 anos, irá manter-se na prisão londrina de Belmarsh, onde cumpre uma pena de 50 semanas por ter violado a sua liberdade condicional em 2012, altura em que pediu asilo à embaixada do Equador no Reino Unido para escapar à sua extradição para a Suécia.

Na segunda-feira, a juíza rejeitou um pedido de extradição de Assange para os Estados Unidos, onde enfrenta acusações de espionagem devido à publicação de documentos militares secretos há uma década.

A juíza Vanessa Baraitser negou a extradição por motivos de saúde, dizendo que o australiano, de 49 anos, poderia cometer suicídio no caso de ser mantido nas duras condições de prisão nos Estados Unidos.

A justiça norte-americana quer julgar o australiano por este ter divulgado, desde 2010, mais de 700.000 documentos confidenciais sobre atividades militares e diplomáticas dos EUA, principalmente no Iraque e no Afeganistão.

Julian Assange é acusado pelos Estados Unidos de cerca de duas dezenas de crimes, incluindo espionagem e divulgação de documentos diplomáticos e militares confidenciais, arriscando até 175 anos de prisão caso seja considerado culpado.

O fundador do WikiLeaks esteve refugiado durante sete anos na Embaixada do Equador em Londres, de 2012 até abril de 2019, quando as autoridades equatorianas decidiram retirar o direito de asilo concedido e as autoridades britânicas o detiveram.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório