Meteorologia

  • 28 NOVEMBRO 2021
Tempo
14º
MIN 8º MÁX 14º

Edição

Pelo menos 21 civis foram mortos "selvaticamente" num massacre na RDCongo

Pelo menos 21 civis foram mortos "selvaticamente" num novo massacre atribuído a combatentes do grupo armado Forças Democráticas Aliadas (ADF) no setor Rwenzori do leste da República Democrática do Congo (RDCongo), disseram hoje as Nações Unidas e fontes locais.

Pelo menos 21 civis foram mortos "selvaticamente" num massacre na RDCongo
Notícias ao Minuto

15:00 - 05/01/21 por Lusa

Mundo Congo



"Diz-se que o inimigo veio em direção ao rio Kabembeu, o balanço provisório mostra 21 civis mortos" de uma forma "selvagem", em Mwenda, na província do Norte, afirmou uma fonte da Missão das Nações Unidas na RDCongo (Monusco) à agência France-Presse.

"O ADF matou, acabamos de perder 22 pessoas (...) incluindo 10 mulheres", disse Donat Kibwana, administrador do território do Beni.

O balanço do massacre foi confirmado também por um líder da sociedade civil na região de Rwenzori, Paluku Batoleni, que adiantou que o seu gabinete foi "demolido" pelos atacantes.

"A população não tem onde se refugiar", dado que os locais onde se escondiam durante os ataques anteriores estão desertos, porque os seus proprietários também "fugiram", referiu Muvunga Kimwele, chefe da aldeia de Mwenda, à agência de notícias francesa.

Mwenda é uma aldeia localizada a cerca de nove quilómetros de Mutwanga, cidade principal do setor Rwenzori, uma área que alberga o Parque Virunga, uma joia natural, turística e ameaçada de extinção.

Historicamente, os elementos do ADF são rebeldes muçulmanos ugandeses que vivem no leste da RDCongo desde 1995. Há anos que não atacam o vizinho Uganda, mas têm cometido regularmente massacres, desde outubro de 2014 na região de Beni, matando mais de mil pessoas.

Este é o grupo armado mais mortífero, entre dezenas ainda ativos, na região de Kivu e no sul do Ituri, onde está a tentar atravessar a fronteira para o Kivu Norte.

As operações militares "de grande escala" não conseguiram por fim aos combatentes armados, que agora operam em pequenos grupos móveis, de acordo com um recente relatório de peritos da Organização das Nações Unidas (ONU).

Desde o fim de novembro de 2020, os ataques do ADF têm-se deslocado do extremo norte (Oïcha-Mbau-Beni) para o sudeste, no setor Rwenzori.

O último grande ataque nesta área ocorreu durante a noite de 31 de dezembro para 01 de janeiro, e matou pelo menos 25 civis.

Desde meados de dezembro de 2020, pelo menos 62 pessoas foram massacradas no setor Rwenzori.

Leia Também: Pelo menos 25 mortos em ataque na República Democrática do Congo

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório