Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2021
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

ONU adota resolução que classifica marinheiros como "trabalhadores chave"

A Organização das Nações Unidas (ONU) adotou hoje uma resolução proposta pela Indonésia que classifica os marinheiros como "trabalhadores chave", enquanto 400.000 continuam retidos no mar devido à pandemia de covid-19.

ONU adota resolução que classifica marinheiros como "trabalhadores chave"
Notícias ao Minuto

21:00 - 01/12/20 por Lusa

Mundo Covid-19

A resolução "exorta os Estados-membro a designar os marinheiros e outros funcionários no mar como "trabalhadores chave", encorajando os governos a permitir que "os marinheiros que estão retidos no mar [sejam] repatriados e substituídos por outros".

Em comunicado, a Câmara Internacional de Transporte Marítimo (International Chamber of Shipping -- ICS), com sede em Londres e que representa 80% da frota mercante, saudou a iniciativa.

"Este é um passo importante no auge de uma pandemia global, ao reconhecer o papel crucial que dois milhões de marinheiros desempenham no transporte de alimentos, medicamentos, provisões energéticas e outras matérias-primas essenciais em todo o mundo", pode ler-se na nota.

O setor marítimo, por sua vez, espera que essa qualificação permita que os marinheiros estejam entre as pessoas prioritárias para beneficiarem de futuras vacinas contra a covid-19.

Em junho, o secretário-geral da ONU, o português António Guterres, lançou um alerta global sobre a situação dos marinheiros retidos no mar sem possibilidade de serem dispensados devido às restrições de viagem impostas por dezenas de países.

O transporte marítimo representa mais de 80% do comércio e é fundamental para o transporte de medicamentos, alimentos e bens essenciais na luta contra a pandemia, observou na altura.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.468.873 mortos resultantes de mais de 63,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório