Meteorologia

  • 23 JANEIRO 2021
Tempo
11º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Alemanha alerta para nova crise nas relações com Irão após assassínio

A Alemanha alertou hoje sobre uma possível "nova escalada" na crise entre Irão, Israel e Estados Unidos após o assassínio, na sexta-feira, de um cientista do programa nuclear iraniano.

Alemanha alerta para nova crise nas relações com Irão após assassínio
Notícias ao Minuto

15:11 - 28/11/20 por Lusa

Mundo Alemanha

"Estamos muito preocupados com relatos do Irão de que Mohsen Fakhrizadeh foi morto num ataque", disse um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Alemanha, à agência de notícias AFP.

"Instamos todas as partes a abandonarem qualquer passo que possa levar a uma nova escalada da situação", da qual "absolutamente não precisamos no momento", acrescentou o porta-voz.

"Poucas semanas antes da posse do novo Governo dos Estados Unidos, é uma questão de manter a margem de diálogo existente com o Irão para poder resolver o conflito sobre o programa nuclear iraniano por meio de negociações", sublinhou o porta-voz do Ministério.

As autoridades iranianas acusaram Israel de ser o responsável pelo assassínio, ocorrido menos de dois meses antes de o democrata Joe Biden tomar posse como Presidente dos Estados Unidos.

Biden disse que pretendia retomar o diálogo após o mandato de Donald Trump, que decidiu em 2018 retirar os Estados Unidos do acordo sobre o programa nuclear iraniano, assinado três anos antes em Viena.

Washington considerou o acordo insuficiente, ao contrário dos demais estados envolvidos no pacto com o Irão (Alemanha, China, França, Grã-Bretanha e Rússia).

O Presidente iraniano, Hassan Rohani, acusou hoje Israel de agir como "mercenário" para os Estados Unidos, ao assassinar um cientista no programa nuclear iraniano e, o líder supremo do Irão, o aiatola Ali Khamenei, disse que é preciso encontrar e punir os responsáveis pelo ataque.

Na sexta-feira, o chefe do Estado-Maior iraniano, general Mohammad Bagheri, alertou para "uma terrível vingança", que, disse, se abaterá sobre os responsáveis pelo assassínio do cientista iraniano especializado no setor nuclear.

Em comunicado, o Ministério da Defesa do Irão identificou o alvo do ataque de sexta-feira como sendo Mohsen Fakhrizadeh, chefe do departamento de investigação e inovação daquele ministério.

Mohsen Fakhrizadeh ficou "gravemente ferido" quando o seu carro foi alvejado por vários atacantes, que, por sua vez, foram atacados pela equipa de segurança do cientista, pode ler-se no comunicado, em que acrescenta que a equipa médica não o conseguiu reanimar.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos indicou, em 2008, que o cientista estava a realizar "atividades e transações que contribuíam para o desenvolvimento do programa nuclear do Irão.

Fakhrizadeh tinha sido descrito pelo primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, como o pai do programa de armas nucleares do Irão.

Mohsen Fakhrizadeh liderou o chamado programa "Amad", ou "Esperança", do Irão. Israel e o Ocidente alegaram que essa operação militar tinha como objetivo saber a viabilidade de construção de armas nucleares no Irão, mas Teerão alegou sempre que o seu programa nuclear é pacífico.

A Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) referiu que o programa "Amad" terminou no início dos anos 2000 e os seus inspetores monitorizam agora as instalações iranianas como parte do acordo nuclear do Irão com os cinco países com assento permanente no Conselho de Segurança da ONU -- Estados Unidos, Rússia, China, Reino Unido e França -- e a Alemanha.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório