Meteorologia

  • 05 DEZEMBRO 2021
Tempo
12º
MIN 10º MÁX 16º

Edição

Amigos exigem justiça no segundo aniversário da morte de Khashoggi

Dezenas de amigos do jornalista saudita Jamal Khashoggi, assassinado há dois anos no consulado saudita em Istambul, juntaram-se hoje frente ao edifício para exigir justiça, apelo a que se juntaram a Amnistia Internacional e os Repórteres Sem Fronteiras.

Amigos exigem justiça no segundo aniversário da morte de Khashoggi

Na concentração participaram um dirigente do partido que governa a Turquia desde 2002, o AKP, Yasin Aktay, e o ex-candidato presidencial egípcio Ayman Nour, exilado na Turquia.

Aktay recordou que Khashoggi, crítico das autoridades sauditas, entrou no consulado a 02 de outubro de 2018 e não mais foi visto.

Há menos de um mês, um tribunal da Arábia Saudita encerrou o caso, comutando a penas de 20 anos de prisão as sentenças de cinco pessoas que em dezembro de 2019 tinham sido condenadas à morte pelo homicídio do jornalista.

"Não sabemos nada sobre estas cinco pessoas, nem sequer como se chamam, porque foram escolhidas e o que aconteceu ao cadáver", indignou-se Yasin Aktay.

Segundo o Governo da Turquia, uma equipa de 15 pessoas viajou na altura de Riad para Istambul para matar Jamal Khashoggi.

Ayman Nour defendeu que "justiça não é só tribunal, é cair o regime que cometeu este crime".

Numa ação realizada uma hora mais tarde também em frente do consulado saudita, as organizações não-governamentais Amnistia Internacional e Repórteres Sem Fronteiras exigiram igualmente justiça e criticaram a falta de transparência do julgamento realizado na Arábia Saudita.

Um comunicado distribuído pelas duas organizações defende a organização de um julgamento na Turquia e pede à comunidade internacional que pressione para que o crime seja esclarecido.

"Todos sabemos quem são os assassinos de Jamal Khashoggi e devemos pedir-lhes contas. Enviem-se os assassinos sauditas para a Turquia para um julgamento aberto ao público e com a presença de observadores internacionais", pediu também o diretor de comunicação da Presidência turca, Fahrettin Altun, em comunicado.

A noiva de Khashoggi, Hatice Cengiz, não participou na iniciativa, mas recordou o crime na rede social Twitter, apelando aos "Estados-membros do G20 para não participarem na Cimeira na Arábia Saudita em novembro".

Em protesto pelo assassínio, os presidentes de câmara de Londres, Paris, Nova Iorque e Los Angeles anunciaram esta semana que vão boicotar a cimeira Urban 20, um evento do calendário da presidência rotativa saudita do G20.

A atitude foi hoje saudada pela relatora especial da ONU para as execuções extrajudiciais, Agnes Callamard, que numa reunião organizada pelo Parlamento Europeu elogiou a "poderosa mensagem" enviada pelos autarcas e frisou que é esse o caminho para fazer frente "à impunidade".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

;
Campo obrigatório