Meteorologia

  • 23 NOVEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 10º MÁX 18º

Edição

UE diverge dos EUA e não vê na China ameaça à paz global

Os EUA estão a procurar atrair a União Europeia (UE) no conflito com Pequim, mas Bruxelas considera que China é um rival mas não uma ameaça à paz global, disse em entrevista à Lusa o investigador Carlos Branco.

UE diverge dos EUA e não vê na China ameaça à paz global
Notícias ao Minuto

16:14 - 17/09/20 por Lusa

Mundo Investigador Carlos Branco

"Os EUA estão a procurar atrair a UE para a sua esfera, mas a União, e de acordo com Josep Borrell, parte do princípio de que a China é um rival da União mas não é uma ameaça à paz global", indicou o major-general, numa referência ao Alto Representante da União Europeia para a Política Externa e de Segurança.

Na perspetiva do investigador -- que publicou recentemente o livro "Do fim da Guerra Fria a Trump e à Covid-19. As promessas traídas da ordem liberal", uma compilação de cerca de 70 artigos em jornais, revistas e blogues, desde o fim da Guerra Fria até 2020 --, a UE está a procurar seguir o seu próprio caminho.

"Josep Borrell tem defendido que o relacionamento da UE com a China deve basear-se numa estratégia que aposte na reciprocidade e na firmeza negocial, em vez de ser numa estratégia confrontacional. E é aqui que está a grande diferença entre a UE e o posicionamento dos Estados Unidos".

Neste contexto salientou que no plano da competição EUA-China, Bruxelas também regista uma posição diferente da NATO "que é mais a posição dos Estados Unidos, o país que determina a agenda da Aliança".

E precisa: "Borrell reconhece a crescente importância da Ásia e quando se refere à 'chegada do século asiático' terá percebido que se tem de ter em conta esse elemento no quadro geoestratégico, que não existia há 20 anos. E também percebeu que o ocidente não pode definir unilateralmente os interesses da agenda global, como tem feito até agora".

A abordagem de Borrell não exclui, no entanto, o prosseguimento da parceria estratégica entre Bruxelas e Washington, o que não significa que os seus interesses "coincidam em permanência", ressalva o major-general na reserva após uma carreira de 40 anos, durante a qual integrou diversas organizações internacionais, incluindo na sede da NATO em Bruxelas como responsável pelo planeamento estratégico da cooperação militar com Rússia, Ucrânia e Geórgia, e com os países de Europa de leste, Cáucaso e Ásia central.

"Os adversários dos EUA não são necessariamente os adversários da Europa. A Europa deve ter a sua própria agenda quando se relaciona com outras potências, tendo em conta as suas características e interesses", sublinhou.

Um "reposicionamento estratégico" que poderá permitir aos europeus "defender os seus próprios interesses e desempenhar um papel de estabilização" nas grandes relações de poder.

"Ao contrário de ser uma entidade em permanente seguidismo face aos EUA, é um pretexto que lhe permite ter alguma autonomia. Gostamos muito dos EUA mas nem sempre os nossos interesses coincidem, e temos de ter autonomia e coragem para defender os nossos interesses", defende o investigador.

Numa referência à aproximação das presidenciais de novembro nos EUA ,que vão opor o candidato do Partido Democrata Joe Biden ao republicano Presidente Donald Trump, Carlos Branco considera que, em termos de estratégias em política externa, existem "um conjunto de indicadores" que sugerem que as opções de Biden, caso seja eleito, não serão essencialmente diferentes face a Trump.

"Biden quer regressar ao projeto de hegemonia global americana. Mas em primeiro lugar precisa de aliados, em particular dos europeus. Quando diz que vão organizar uma cimeira global das democracias e formar uma agenda comum, não é particularmente diferente do que Mike Pompeo [o atual secretário de Estado] propôs, ao referir-se a uma aliança das democracias", explicitou.

"Ainda numa perspetiva securitária, Biden diz que vai evitar envolvimento dos EUA em conflitos que exijam muitos contingentes, preferindo forças especiais. Mas não é nada que Trump não esteja a fazer", acrescentou o atual investigador do Instituto Português de Relações Internacionais (IPRI) e investigador associado do Instituto de Defesa Nacional (IDN), e que na qualidade de oficial general foi porta-voz do comandante da força da NATO no Afeganistão e responsável pela sua comunicação estratégica.

Carlos Branco recorda ainda que Biden disse pretender terminar com as 'forever wars' (guerras intermináveis) "apesar de ter sido no passado relativamente apologista desta abordagem, quando votou pela invasão do Iraque [em 2003] e apoiou a ação militar na Líbia [em 2011] quando era vice-presidente".

No entanto, alerta para um "dado perigoso", relacionado com as designadas "operações de mudanças de regime" apoiadas pelo ocidente, que já foram concretizadas em diversos países.

"Biden está empenhado em encorajar e financiar grupos dessas sociedades no sentido de provocar uma mudança de regime, um outro assunto em que é diferente do Trump", sustenta.

Ainda numa referência à NATO, o investigador assinala que Trump recuperou a "narrativa da NATO global "e Biden está também a recuperá-la, o que coloca uma "questão de fundo" em relação aos europeus numa eventual participação da Aliança militar ocidental "nesse esforço de guerra e de confronto" com a China.

"Os EUA continuam a manter uma capacidade militar muito superior à China, e mesmo à China e Rússia juntas. Mas quem tem a política provocatória são os norte-americanos, que efetuaram recentes exercícios no Ártico, Báltico, mar Negro, com B-52", frisou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório