Meteorologia

  • 23 SETEMBRO 2020
Tempo
22º
MIN 19º MÁX 25º

Edição

ONU alerta que Caxemira indiana vive "situação alarmante"

Alguns especialistas da ONU em direitos humanos alertaram hoje que a Caxemira indiana vive uma "situação alarmante" nessa matéria, quase um ano depois de a Índia ter revogado a autonomia da região disputada.

ONU alerta que Caxemira indiana vive "situação alarmante"
Notícias ao Minuto

21:25 - 04/08/20 por Lusa

Mundo Caxemira indiana

Face às tensões que se fazem sentir na região disputada com o Paquistão, os responsáveis ligados à ONU pediram, em comunicado, à Índia e à comunidade internacional para tomarem "medidas urgentes para lidar com a situação alarmante de direitos humanos" naquele território.

"Se a Índia não tomar nenhuma ação real e imediata para resolver a situação, cumprir as suas obrigações de investigar casos históricos e recentes de violações de direitos humanos e evitar futuras violações, a comunidade internacional deve-se envolver [no assunto]", lê-se.

O alerta dos especialistas surgiu depois de as autoridades indianas terem imposto, hoje, o recolher obrigatório na parte de Caxemira que têm sob controlo.

Shahid Iqbal Choudhary, responsável da administração civil indiana na principal cidade da região, Srinagar, esclareceu que a medida surgiu após informações sobre protestos planeados por grupos anti-Índia para assinalar 05 de agosto de 2019, quando o Governo indiano revogou a autonomia constitucional de Caxemira, como um "dia negro".

O recolher obrigatório será cumprido hoje e na quarta-feira, indicou Choudhary numa ordem governamental.

Ao longo do último ano, "a situação dos direitos humanos em Jammu e Caxemira tem estado em queda livre", frisaram ainda os responsáveis ligados à ONU.

Os especialistas queixaram-se, aliás, do destacam do encerramento, em outubro de 2019, da Comissão de Direitos Humanos do Estado de Jammu e Caxemira, "uma das poucas maneiras pelas quais as vítimas de violações de direitos humanos poderiam procurar reparação".

O grupo denunciou ainda a falta de resposta das autoridades indianas a três das quatro cartas enviadas por nos últimos meses, pedindo à Índia "que agende urgentemente visitas" para esses especialistas, especialmente os que estão a cargo dos casos de tortura e de desaparecimento.

Os especialistas mostraram-se ainda "preocupados" com os "muitos manifestantes detidos" e com "as restrições à Internet" que "permanecem em vigor", quando se vive a pandemia de covid-19.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório