Meteorologia

  • 02 JUNHO 2020
Tempo
23º
MIN 18º MÁX 26º

Edição

Ex-presidiária infetada consegue romper bloqueios em Wuhan e viajar

Uma mulher que saiu recentemente da prisão e que está infetada pelo coronavírus Covid-19 conseguiu viajar mais de 1.100 quilómetros desde Wuhan até Pequim, infringindo as medidas de quarentena, informou hoje a imprensa local.

Ex-presidiária infetada consegue romper bloqueios em Wuhan e viajar
Notícias ao Minuto

06:28 - 27/02/20 por Lusa

Mundo Covid-19

Segundo o jornal estatal Global Times, a mulher, de sobrenome Huang e natural de Pequim, regressou à capital chinesa num carro conduzido por familiares no mesmo dia em que saiu da prisão, em Wuhan, cidade onde se propagou o novo coronavírus.

A mulher, que desde 18 de fevereiro tinha febre e dores de garganta, e acabou ser diagnosticada em Pequim, ficou desde sábado até segunda-feira num bairro no sul da capital, o Xinyijiayuan.

"Fomos hoje notificados pelo condomínio sobre este caso de infeção, mas já tinha lido nos jornais", revelou à agência Lusa um dos moradores.

O comunicado enviado aos moradores detalha o prédio e unidade onde a mulher ficou.

"Limparam tudo com desinfetante, ninguém sai de casa", contou à Lusa o mesmo morador, um estrangeiro radicado em Pequim há dez anos. A empresa onde a sua mulher se encontra empregada ordenou, entretanto, que trabalhasse a partir de casa, como forma de prevenção.

O caso, que está a ser investigado pelas autoridades locais, suscitou críticas nas redes sociais chinesas e até na imprensa local sobre a gestão da crise em Hubei, província da qual Wuhan é capital.

Várias cidades de Hubei, que acumula 84% dos casos e 96% das mortes a nível nacional, foram colocadas sob quarentena em 23 de janeiro passado, com entradas e saída bloqueadas.

"O Governo central reiterou repetidamente que os controlos em Wuhan devem permanecer muito rígidos para vencer esta batalha", observou o Global Times.

O jornal considerou que, caso esses esforços não sejam mantidos, "todo o trabalho feito até agora pode ser em vão e causar um ressurgimento do vírus".

A prisão em Wuhan onde Huang cumpriu pena identificou já 230 casos.

Na segunda-feira, as autoridades de Wuhan disseram que iam permitir a saída de não residentes da cidade, desde que não acusassem sintomas, mas acabaram por revogar a decisão no mesmo dia.

O novo secretário do Partido Comunista Chinês (PCC) em Hubei, Ying Yong, enfatizou na terça-feira que "as saídas de Wuhan permanecem sob controlo restrito".

Segundo os dados atualizados pela Comissão Nacional de Saúde da China, até à meia-noite de hoje (16:00 de quarta-feira em Lisboa), a China somava um total de 2.744 mortos e 78.497 casos confirmados.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório