Meteorologia

  • 02 ABRIL 2020
Tempo
MIN 6º MÁX 19º

Edição

Presidência brasileira disse que Secretário da Cultura será demitido

Roberto Alvim copiou um discurso do ministro da Propaganda nazi Joseph Goebbels.

Presidência brasileira disse que Secretário da Cultura será demitido

O Palácio do Planalto, a sede do gabinete oficial da presidência do Brasil, informou esta sexta-feira os líderes do congresso que o Secretário da Cultura Roberto Alvim vai ser demitido, adianta o Folha de São Paulo. A decisão foi tomada na sequência de um discurso polémico de Alvim que copiou um discurso de Joseph Goebbels, que foi ministro da Propaganda nazi, sobre arte. 

O  ministro da Secretaria do Governo Luiz Ramos telefonou para líderes do congresso e explicou que o porta-voz da presidência, o general Rego Barros, vai anunciar a demissão. 

O discurso de Roberto Alvim gerou uma onde críticas. Rodrigo Maia, presidente da câmara baixa do parlamento, considerou que o Secretário da Cultura "passou todos os limites" e pediu logo a sua demissão. 

A Confederação Israelita do Brasil afirmou que é "inaceitável o uso do discurso nazi" por parte de Roberto Alvim e também pediu que fosse afastado do cargo. 

Num vídeo sobre o Prémio Nacional das Artes, Alvim parafraseou trechos do discurso de Goebbels. "A arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional, será dotada de grande capacidade de envolvimento emocional, e será igualmente imperativa, posto que profundamente vinculada às aspirações urgentes do nosso povo, ou então não será nada", referiu o Secretário da Cultura. 

No livro 'Goebbels: a Biography', o autor Peter Longerich cita uma afirmação do ministro da Propaganda de Adolf Hitler, muito semelhante a de Alvim: "A arte alemã da próxima década será heroica, será ferreamente romântica, será objetiva e livre de sentimentalismo, será nacional com grande páthos e igualmente imperativa e vinculante, ou então não será nada".

Face à onda de críticas de que foi alvo, Roberto Alvim pediu desculpa numa entrevista à Rádio Gaúcha. "Peço perdão por essa infeliz coincidência retórica,  mas não houve nenhuma associação com o nazismo, que encarnou o mal absoluto", disse o Secretário da Cultura, que, no entanto, defendeu os valores propostos no vídeo. 

[Notícia atualizada às 15h26]

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório