Meteorologia

  • 17 JANEIRO 2020
Tempo
13º
MIN 11º MÁX 14º

Edição

Multidão enche ruas de Argel na última sexta-feira antes das eleições

Uma multidão encheu hoje as ruas da capital da Argélia, Argel, para assinalar a última sexta-feira antes das eleições presidenciais naquele país, escrutínio agendado para 12 de dezembro e fortemente contestado pela maioria dos argelinos, relataram as agências internacionais.

Multidão enche ruas de Argel na última sexta-feira antes das eleições
Notícias ao Minuto

18:36 - 06/12/19 por Lusa

Mundo Argélia

A participação nesta manifestação de sexta-feira do 'Hirak' - o movimento inédito de contestação do regime da Argélia iniciado a 22 de fevereiro -- não foi possível quantificar, devido à ausência de uma contagem oficial, relatou um jornalista da France Presse (AFP) destacado no local.

Mas, segundo o repórter da AFP, a mobilização de hoje parece ser comparável à da marcha do passado 1 de novembro -- quando o protesto coincidiu com o 65.º aniversário do início da luta armada contra o colonizador francês e pela independência argelina --, mas também a algumas manifestações realizadas durante os meses de março, abril e maio.

Os manifestantes, entre os quais estavam muitas mulheres, batiam palmas e gritavam em uníssono várias frases contra a votação presidencial da próxima quinta-feira, mas também de incentivo à continuação dos protestos, que já vão na 42.ª sexta-feira consecutiva.

Depois de ter conseguido em abril passado a renúncia de Abdelaziz Bouteflika, que assumiu a Presidência argelina durante 20 anos, este movimento de contestação popular exige agora o total desmantelamento do "sistema" que está no poder desde a independência do país em 1962.

O movimento 'Hirak' acredita que as eleições de 12 de dezembro só vão permitir a regeneração desse mesmo "sistema".

"Não vou votar e no dia 8 de dezembro vou fechar a minha loja", diziam alguns manifestantes, numa referência à greve geral convocada através das redes sociais e que está prevista começar a partir de domingo.

"Gaid Salah, esqueça o voto!" foi outra das frases entoadas pelos manifestantes, que se dirigiam diretamente ao general e chefe de Estado-Maior das Forças Armadas, Ahmed Gaid Salah, atualmente o homem forte da Argélia após a renúncia de Bouteflika.

Numa intervenção feita hoje, a primeira realizada a uma sexta-feira desde o início do 'Hirak', o general Ahmed Gaid Salah falou de uma "etapa crucial e importante" a propósito das eleições presidenciais, acrescentando que o escrutínio será uma "festa eleitoral, na qual será realizada a vontade popular".

Cinco candidatos disputam as presidenciais na Argélia: três ocuparam altas funções na Frente de Libertação Nacional (FLN), que governa o país praticamente sem interrupção desde 1962, e os outros dois dirigem dois partidos que apoiaram Bouteflika durante a sua Presidência.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório